Fábio Faria apresenta projeto para criar pontos de coleta de lixo eletrônico no país

Exibindo fabiofaria1.jpg

Proposta obriga municípios a instalarem postos de coleta de pilhas, baterias e produtos eletrônicos que não são mais utilizados

50 milhões de toneladas. Essa é a quantidade de lixo eletrônico que deve ser descartada no planeta em 2017, segundo o Programa para o Meio Ambiente da ONU (Pnuma). Atualmente, só a América Latina produz 9% desse total e, na região, o Brasil lidera: produz 1,4 milhão de toneladas/ano. Com o objetivo de diminuir o número de dejetos eletrônicos na natureza, o deputado Fábio Faria apresentou, neste Dia Mundial da Reciclagem, o projeto de lei 7652/2017 na Câmara Federal.

A proposta prevê que todos os municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes organizem e implantem postos fixos para descarte de materiais como pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes e produtos eletrônicos. “O Brasil é número um em produção desse tipo de lixo na América Latina, mas ainda assim não tem uma política pública de descarte adequada. Temos pressa para isso mudar”, afirma.

O parlamentar ressalta que, com os avanços tecnológicos, produtos como celulares e computadores vêm sendo desvalorizados e trocados por novos, indo para o lixo comum e causando grande dano ao planeta. “O problema está nos perigosos componentes químicos presentes nesses materiais, que acabam contaminando a água do subsolo, o solo, a atmosfera, e consequentemente a saúde da população”.

Para Fábio Faria, o projeto vai além da criação de ecopontos: promove também a conscientização da sociedade. Segundo dados do Natal Reciclagem, só o Rio Grande do Norte produz 5 mil toneladas de lixo eletrônico por ano, mas só 0,5% deste total recebe a destinação correta. “Virando lei, os municípios maiores ficam obrigados a receber esses componentes, e o Poder Público a pressionar produtores e importadores a adotarem medidas práticas de gerenciamento dos resíduos, reduzindo assim os graves impactos ambientais”, finaliza.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: