Fachin nega a amigo e ex-assessor de Temer acesso à delação de Funaro

O advogado José Yunes, ex-assessor e amigo do presidente Michel Temer, bem que tentou, mas não conseguiu autorização do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), para ter acesso à íntegra da delação de Lúcio Funaro. Apontado como operador de políticos do PMDB em esquemas de desvio de dinheiro público, Funaro cita Temer e outras figuras importantes do partido em sua colaboração. Yunes argumentou que, segundo reportagens publicadas na imprensa, Funaro fez citações a ele. Assim, para verificar se houve omissões do delator e exercer o direito de defesa, pediu acesso a todos os depoimentos e elementos de provas trazidos por Funaro.

Em sua delação, o operador disse que buscou uma caixa com R$ 1 milhão no escritório de Yunes. O dinheiro pertenceria a Temer a partir de um acordo de caixa dois feito com a Odebrecht. A quantia foi remetida a Salvador, mais especificamente para o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), outro amigo íntimo do presidente da República, segundo o delator. O acerto do caixa dois com a empreiteira foi feito, conforme a delação, por Temer e pelo ministro da Casa Civil da Presidência, Eliseu Padilha. Temer e Padilha negaram as acusações. Geddel se encontra preso atualmente. As informações são de O Globo.

Fachin negou o pedido dizendo que a delação ainda está sob sigilo. Ele citou um julgamento anterior como precedente, quando o próprio Fachin avaliou que “o conteúdo dos depoimentos prestados em regime de colaboração premiada está sujeito a regime de sigilo, que, a teor da Lei 12.850/2013 (art. 7°, §3°), regra geral, perdura até o recebimento da denúncia e, de modo especial, deve ser observado em momento anterior à instauração formal de procedimento investigatório”.

Fachin escreveu ainda que a orientação do STF “é que, em se tratando de colaboração premiada, não assiste a um determinado denunciado o acesso universal a todos os depoimentos prestados. O que a lei lhe assegura é o acesso aos elementos da colaboração premiada que lhe digam respeito”.

A delação de Funaro esclarece o episódio da caixa com R$ 1 milhão que apareceu no escritório de Yunes. O amigo de Temer deixou a assessoria especial da Presidência da República depois de vir a público a delação de Cláudio Melo Filho, ex-executivo da Odebrecht, que afirmou ter havido entrega de dinheiro vivo no escritório de Yunes em São Paulo em 2014 como parte de um acordo de doação da empreiteira acertado com Temer e Padilha.

O ex-assessor procurou a Procuradoria Geral da República (PGR) em fevereiro para dar a sua versão da história. Ele afirmou ter recebido uma ligação de Padilha para que recebesse alguns “documentos” em seu escritório. Um “pacote” foi levado por Funaro, conforme a versão de Yunes, que se disse surpreendido. O amigo de Temer chegou a dizer que foi apenas uma “mula” de Padilha. A história nunca ficou esclarecida. Na delação, Funaro detalhou o episódio, numa versão bem diferente da contada até agora por um dos melhores amigos de Temer.

“Dirigentes da Odebrecht utilizaram o doleiro Alvaro Novis para fazer com que os valores destinados a Temer chegassem nas mãos de Yunes”, contou Funaro na delação. Ele disse ter recebido uma ligação de Geddel, com um pedido para que “retirasse a remessa de R$ 1 milhão”. “Geddel informou que precisava que os valores fossem enviados para Salvador. Geddel lhe informou que o dinheiro que iria retirar com José Yunes era referente a uma doação via caixa dois, da Odebrecht, acertada juntamente com Eliseu Padilha e Michel Temer”, registra trecho da delação.

Os valores “eram de Michel Temer”, conforme o delator, e o então vice-presidente da República estava enviando para Geddel “uma parte do dinheiro arrecadado”. Funaro disse ter ligado para Yunes e combinado a retirada do R$ 1 milhão no escritório do amigo pessoal de Temer, “em uma casa de muro de vidro no Itaim em São Paulo”.

O doleiro foi ao escritório acompanhado de um segurança e foi recebido pelo próprio Yunes, conforme o relato da delação. Na sala havia um documento com diplomação de Yunes como deputado federal e um diploma de bacharel em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), disse o operador. Os dois conversaram, trocaram cartões e coube a uma secretária e um motorista do amigo de Temer entregarem a caixa com R$ 1 milhão, segundo o delator. “Nunca fez entrega de valores a Yunes”, cita o depoimento. Assim, o que houve foi uma retirada de dinheiro por Funaro, e não uma entrega, conforme o relato do operador.

Já em seu escritório, Funaro pediu a um funcionário para que fosse até Salvador entregar a quantia a Geddel. “O dinheiro foi entregue em Salvador por um funcionário de logística de transporte de valores do doleiro Tony, o qual retirou os valores em São Paulo e no dia seguinte fez a entrega em Salvador na sede do PMDB da Bahia”, finaliza o relato sobre este episódio específico.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: