Força-tarefa de pesquisadores ajuda Brasil a enfrentar novo coronavírus

Resultado de imagem para força tarefa de pesquisadores

novo coronavírus nem havia desembarcado no País, mas cientistas do Brasil já estavam de olho neste ser minúsculo, que parece ter virado o vilão número um do planeta na última semana. Agora, após São Paulo confirmar o primeiro caso em nosso território, haverá um número ainda maior de microscópios e outros equipamentos focados no problema – 48 horas foram suficientes para equipes do Instituto Adolfo Lutz e da Universidade de São Paulo (USP), com a ajuda de ingleses, sequenciarem o genoma do vírus que infectou o brasileiro. E os ministérios da Ciência e da Saúde já montam uma rede de pesquisadores para decifrar a doença.

Especialistas brasileiros e representantes dos dois ministérios compartilharão dados na Rede Vírus MCTIC, criada oficialmente na semana passada, que mira a doença vinda da China e a influenza (gripe comum) e outras viroses emergentes. Os objetivos são integrar pesquisas e definir prioridades. Será feita uma teleconferência esta semana com cientistas de EUA, Canadá, Índia, Austrália e Reino Unido. Vão participar da rede a Academia Brasileira de Ciências, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Sociedade Brasileira de Virologia e universidades federais.

O sequenciamento em só dois dias do genoma do coronavírus exemplifica o potencial das parcerias. O trabalho de desvendar cepas (subtipos) desse vírus tem sido feito por vários países e levado, em média, 15 dias. A rapidez brasileira – do Adolfo Lutz, da Faculdade de Medicina da USP e da Universidade de Oxford (Reino Unido) – foi possível porque já existe há um ano um projeto, o Cadde, criado para desenvolver novas técnicas – rápidas e baratas – para monitorar epidemias em tempo real. Foi um desdobramento da Rede Zika – criada em outro surto, que fez subir os casos de microcefalia no País em 2016.

Originalmente, o Cadde se concentrou em arboviroses, como dengue e zika. Da febre amarela, que voltou com força em 2018, já foram sequenciadas quase mil amostras. “Trabalhamos agora na análise desses dados. Mas não queríamos trazer dados só depois da epidemia. A ideia é poder entendê-la enquanto acontece para dar respostas. Com esse coronavírus, teremos a primeira chance de fazer isso”, diz Ester Sabino, do Instituto de Medicina Tropical da USP.

Em outro estudo recente, a Fiocruz, com as universidades de Milão (Itália) e da Flórida (EUA), investigou as dinâmicas e vestígios do início e dispersão do novo surto. Com ferramentas de bioinformática, a análise de 29 sequências genéticas reforça que a origem foi mesmo em Wuhan, na China, mas indica que o ponto de partida pode ser novembro – e não dezembro, como se imaginava.

Já o infectologista Esper Kallas, da Faculdade de Medicina da USP, lidera a comissão de crise do Hospital das Clínicas, que há um mês planeja como enfrentar o novo vírus. O esforço se divide em três frentes: criar protocolos de atendimento a pacientes, estudar a disseminação do vírus em ambiente hospitalar e contato com laboratórios estrangeiros para usar remédios já empregados para outros fins que possam ter novo uso.

Fora do País, já se testam medicamentos de aids e ebola para o novo coronavírus. “Talvez o remédio de tratamento esteja na farmácia. Mas não basta testar isso aleatoriamente. É preciso estudo criterioso”, diz Kallas. O projeto tem o apoio de universidades americanas, como as de Miami e da Califórnia.

Embora o vírus que causa a Covid-19 seja novo, coronavírus humanos são comuns no Brasil. De sete tipos mapeados, é o quinto a surgir aqui. As duas variações mais perigosas, que saltaram de animais para humanos, não chegaram: a da síndrome respiratória aguda grave (Sars), que matou mais de 800 pessoas em 2002 e 2003, e a da do Oriente Médio (Mers), com 858 óbitos desde 2014.

Especialista no tema, Paulo Eduardo Brandão, da Faculdade de Veterinária da USP, diz que o alto número de variedades não significa que o Brasil seja “propício” para a disseminação do vírus. “O que importa não é o clima, mas a presença ou não de hospedeiros suscetíveis.” Entre as hipóteses para a origem do novo vírus, estão morcegos e serpentes.

Estrutura

Entre os desafios, porém, está a restrição de verba que atinge a ciência brasileira atualmente. Jerson Lima, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio (Faperj), lembra que o Brasil não tem laboratório nível 4 de biossegurança para pesquisa com vírus que requerem essa classificação. Para o novo coronavírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) pede estrutura nível 3 para experimentos com animais, o que é preciso para pesquisar vacinas. Há laboratórios desse nível, como na Fiocruz e na Universidade Federal do Rio (UFRJ). “A vantagem de trabalhar em rede é que diferentes laboratórios podem dividir as tarefas”, afirma Lima.

Sobre a Rede Vírus, o Ministério da Ciência disse que a demanda de verba ainda será avaliada segundo as prioridades.

Bancos de dados online são aliados contra doença

Reuniões entre cientistas, compartilhamento de informações em bancos de dados online e agilidade na publicação de pesquisas são estratégias que têm sido usadas no mundo todo para que a comunidade científica consiga dar respostas à altura do desafio imposto pelo surto atual.

As primeiras análises, anunciadas em 9 de janeiro pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e autoridades chinesas, apontavam que casos de pneumonia registrados na China desde dezembro eram causados por um novo coronavírus. Após dois dias, a base americana GenBank, banco de dados de sequência genéticas, publicou a primeira sequência genômica do coronavírus. No dia 22, um artigo na Journal of Medical Virology trouxe análises do genoma.

Segundo a revista Nature, mais de 50 pesquisas foram publicadas só em janeiro. Pesquisadores brasileiros dizem que agora o número já passa de 80.

O trabalho cooperativo é estimulado pela OMS, que, há duas semanas, organizou uma reunião em Genebra entre cientistas de diferentes áreas do conhecimento e vários países. O objetivo era, principalmente, identificar o que já se sabe e o que ainda falta conhecer sobre a epidemia. Estiveram presentes mais de 300 cientistas – alguns participaram de forma remota.

“Devemos colocar nossa melhor ciência a serviço de respostas compartilhadas para problemas comuns”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, à época. Paralelamente, uma rede global, a Glopid-R, reúne órgãos financiadores que investem em pesquisas sobre doenças infecciosas. A rede também apoia o compartilhamento de dados sobre o coronavírus.

Os Estados Unidos abriram semana passada uma linha de financiamento de urgência, de R$ 2,6 milhões, para pesquisas sobre o novo coronavírus.

Estadão

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: