Fortes chuvas fazem lagoas de captação transbordar em Natal

Criadas para mitigar os impactos de alagamento, as lagoas de captação de Natal não est’ao resistindo às fortes chuvas que caíram desde o do início da semana. A capital registrou chuvas de mais de 100 milímetros, entre as 7h da terça-feira e as 7h de ontem (5). A expectativa é de que as chuvas diminuam, mas se intensifiquem no próximo fim de semana. segundo a Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn).

Duas lagoas apresentaram problemas mais graves, ambas na zona Norte da cidade. Segundo a Defesa Civil de Natal, houve ocorrências atendidas pelo órgão devido os problemas de transbordamento nas lagoas do loteamento José Sarney, no bairro Lagoa Azul, desalojando 50 famílias; e do conjunto Santarém, com 10 pessoas desalojadas. Esta última havia transbordado há três semanas. Também na zona Norte, houve problema na lagoa da Rua Acaraú, no conjunto Panatis.

Natal possui 56 lagoas de captação de águas pluviais: 25 estão localizadas na Zona Sul, 21 na zona Norte, oito na zona Oeste e duas na zona Leste. A água de uma dessas, no cruzamento das avenidas Ayrton Senna e das Alagoas, no conjunto Pirangi, na zona Sul, invadiu a pista e dificultou o tráfego dos veículos. Moradores suspeitam que a bomba de água que serve para escoar o líquido não esteja funcionando.

A comerciante Istela Natali Batista, de 61 anos, disse que a situação só acontece quando há chuvas mais intensas. “A gente estava com esperança de não acontecer mais porque fizeram uma obra alegando que não ia mais acontecer isso. E, desde essa obra, é a primeira vez que faz isso”, contou.

Ela lembrou que a obra era um encanamento e que a limpeza é precária no entorno. Com isso, há muita vegetação ao redor da lagoa. Além disso, a moradora diz que uma “lixaria” [se referindo à grande quantidade de lixo] é empurrada para o local com o movimento da água. “A gente não consegue nem passar pela calçada, que só é mato. Então, assim, já começa a sujeira da limpeza pública ali. A gente não tem condição de passar. E, com as buraqueiras, corremos até o risco de acidentes”, alertou.

O comerciante Paulo Roberto Poloni, 41 anos, tem uma empresa na região desde 2017 e afirma que a situação é “constrangedora”. Ele conta que há cerca de dois anos, desde um transbordamento semelhante, ouviu a informação de que a bomba que puxaria a água da lagoa para outro ponto estaria quebrada.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra), as obras de ampliação e melhoria da rede de drenagem estão sendo realizadas na lagoa do conjunto Pirangi e em seu entorno. “Por agora, o setor de Obras informa que está na área para, assim que as águas baixarem mais, reiniciar os serviços e arrumar quadros eletrônicos e outros equipamentos da lagoa”, informou.

A pasta garante que tem realizados serviços de manutenção nessas lagoas e que executa a limpeza nos locais conforme cronograma próprio, com base em uma decisão judicial fruto de um acordo com o Ministério Público, priorizando lagoas em situações mais urgentes. Diz ainda que promoveu os serviços de remoção da camada impermeabilizante, limpeza da rede de drenagem e a limpeza do entorno dessas lagoas com a ajuda de equipes da Urbana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.