fbpx

Fracassam negociações para delação premiada de Cunha

A tentativa de reabertura de negociações entre o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o grupo de trabalho da Lava-Jato em Brasília com vistas a um acordo de delação premiada fracassou. Para investigadores, Cunha pediu para retomar as tratativas e até se dispôs a participar diretamente das negociações, mas não demonstrou interesse em acrescentar informações essenciais à proposta de colaboração rejeitada há menos de duas semanas. A primeira proposta foi considerada pelos procuradores omissa, inconsistente e contraditória em relação a fatos já apurados ao longo das investigações, conforme revelou o GLOBO no último sábado.

O advogado Délio Lins e Silva, representante de Cunha nas negociações, confirmou o fim das tratativas, mas disse que foi o ex-deputado quem não quis o acordo nas condições estabelecidas pelos investigadores. Segundo ele, uma eventual delação de Cunha colocaria em xeque alguns pontos das delações do empresário Joesley Batista, de alguns ex-executivos da Odebrech e dos lobistas Fernando Soares, o Fernando Baiano, e Júlio Camargo. As delações de Fernando Baiano e Júlio Camargo foram essenciais para uma das primeiras investigações sobre o envolvimento de Cunha com desvio de dinheiro da Petrobras.

— Quem disse não ao acordo foi o Eduardo Cunha e não os procuradores. Eles queriam que ele confirmasse a compra do silêncio do Cunha (por Joesley Batista). Ele disse que isso não existiu — afirmou o advogado. As informações são de O Globo.

Em depoimento a investigadores da Lava-Jato depois de firmar acordo de delação, Batista disse que fez pagamentos a Cunha e ao operador Lúcio Bolonha Funaro para evitar que os dois fizessem acordo de delação premiada. A acusação é um dos pontos de partida do inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal para apurar o suposto envolvimento do presidente Michel Temer com corrupção, obstrução de justiça e organização criminosa. Segundo o empresário, o dinheiro do suposto suborno era repassado a Cunha por intermédio do motorista Altair Alves Pinto, apontado como um faz-tudo do ex-deputado.

Na proposta inicial de acordo, Cunha apresentou aproximadamente 100 anexos sobre casos de corrupção e outros crimes sobre os quais ele poderia discorrer de forma detalhada. Segundo o advogado, o ex-deputado revelaria como funciona por dentro o sistema político brasileiro, especialmente o Congresso Nacional. Antes de ser preso, Cunha era apontado como o líder de uma expressiva bancada de deputados, cevada com financiamento de campanhas eleitorais e outras trocas de favores. O advogado afirma ainda que o fim das negociações coma equipe do procurador-geral Rodrigo Janot não sepulta de vez as chances de um futuro acordo de delação.

— Pode ser que mais prá frente se reabra as negociações. O mandato do Janot está acabando. Vem aí uma nova procuradora-geral — afirmou o advogado.

Na proposta apresentada inicialmente, Cunha teria se comprometido a falar sobre as relações dele com o presidente Michel Temer. Também falaria sobre deputados, senadores e ministros, que hoje estão no centro do poder em Brasília. Mas as informações oferecidas por escrito foram consideradas superficiais e inconsistentes. O ex-deputado teria sido omisso em relação a crimes já conhecidos. Cunha também apresentou poucas provas para sustentar as acusações, algumas delas genéricas, que prometeu fazer. Com esta avaliação, procuradores rejeitaram o acordo no último dia 11.

Três dias depois do não, ainda na passada, Cunha pediu ao Grupo de Trabalho para retomar as negociações. A sinalização é de que o ex-deputado poderia teria dados relevantes a acrescentar a proposta inicial. Mas, depois das primeiras conversas, procuradores entenderam que, mais uma vez, Cunha estaria omitindo informações. Diante das desconfianças mútuas, as negociações foram, pela segunda vez, encerradas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: