Futuro de Guedes como ministro da Economia fica mais incerto

O destino do ministro Paulo Guedes está, novamente, sob fortes incertezas. Em 18 de fevereiro, como antecipou o Congresso em Foco Premium e depois publicou o Congresso em Foco, Guedes ameaçou deixar o cargo, após colecionar situações em que ideias apresentadas por sua equipe esbarraram na oposição do presidente da República. A gota d’água foi a reforma administrativa. Ao cortar benefícios de uma categoria (o funcionalismo público) que em grande parte apoiou o ex-deputado nas eleições presidenciais, a proposta traz inconvenientes políticos contra os quais Bolsonaro resiste.

Apesar de ter sido selada a paz, com a promessa de envio da proposição ao Congresso, que Jair Bolsonaro supostamente assinou ainda antes do Carnaval, a sua divulgação oficial ainda não ocorreu e agora é prevista  para a semana que vem.

Naquele momento, era Guedes quem ameaçava sair. Foi convencido a ficar com o argumento de que a entrega do cargo poderia representar o fim precoce do governo. Desta vez, é o Palácio do Planalto quem cogita afastá-lo, incomodado com o “pibinho” de 2019 (1,1%, abaixo do 1,3% de Temer/Meirelles) e com o derretimento do real frente ao dólar. A moeda nacional tem quebrado recordes negativos em série e acumula mais de 15% de desvalorização no ano.  “Se eu fizer muita besteira, o dólar pode chegar a R$ 5”, afirmou Paulo Guedes nesta semana, aumentando o nervosismo de um mercado financeiro que apostou alto em Jair Bolsonaro e não esperava um cenário tão desfavorável como o atual. Na quinta-feira (5), o dólar turismo fechou a R$ 5,11.

Em recente manifestação pública de desconfiança, o ministro perdeu a prerrogativa de alterar o orçamento. Acirra os problemas internos a estratégia bolsonarista de apresentar o Congresso como bode expiatório para tudo aquilo que o governo é incapaz de fazer, diminuindo a boa vontade de quem viabilizou a reforma da Previdência e outras mudanças legais importantes, frequentemente contornando dificuldades políticas criadas pelo presidente e seu grupo mais próximo. Sem o Congresso para aprovar as reformas administrativa e tributária, vale lembrar, pouco restaria a Guedes para fazer. Para piorar, o coronavírus derruba bolsas pelo mundo afora, sinalizando uma recessão global que não estava no radar de ninguém.

*Congresso em Foco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: