Homens têm 72% das mil melhores notas do Enem

Mais de 70% dos estudantes que tiraram as mil maiores notas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) são meninos. No entanto, as meninas são maioria entre os candidatos. Dados tabulados pelo ‘Estado’ mostram ainda que o total de jovens do sexo masculino se sai melhor nas quatro áreas cobradas pela mais importante avaliação do País. A maior diferença está nos exames de Matemática e Ciências da Natureza.

Os resultados indicam também disparidade de desempenho entre as raças. Garotas negras (pretas e pardas), que são a maior parte dos inscritos no Enem, representam só 6% das notas mais altas. O meninos brancos são quase 50% dessa “elite” da prova e 15% dos candidatos.

Segundo educadores e pesquisadores ouvidos pelo ‘Estado’, fatores sociais e culturais explicam o pior desempenho das mulheres especialmente em Matemática e Ciências da Natureza. “O que se espera, nas famílias e nas escolas, é que as meninas sejam melhores em se comunicar, em se expressar, e não que elas se saiam bem em Matemática. Essa expectativa sobre elas e delas mesmas influencia muito na aprendizagem”, afirma Priscila.

“A explicação não deve ser buscada na Biologia, embora cérebros de homens e mulheres não sejam iguais. Mas isso não afeta a cognição, em áreas do raciocínio lógico, muito menos na inteligência”, diz o professor titular de neurociência da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Roberto Lent. Para ele, o que mais influencia são as posições da família e os estereótipos da sociedade. As informações são de Renata Cafardo e Luiz Fernando Toledo –  O Estado de São Paulo.

Os resultados do Pisa, maior exame internacional do mundo, feito pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mostram que a disparidade nas notas é comum também em outros países. A prova avalia estudantes de 15 anos em cerca de 70 países. Meninos se saem melhor do que meninas em exames de Matemática e Ciências na maioria deles.

O Pisa pesquisa a questão de gênero na educação com questionários aos alunos. Relatórios recentes mostram que as meninas dizem confiar pouco em suas habilidades em Matemática e se sentir menos motivadas a estudar a área. Nos países em que há grande diferença de nota em Ciência, as garotas também se acham menos eficientes.

Outro estudo, feito em 2017 pela consultoria Mackinsey, usando dados do Pisa, demonstrou que estudantes mais motivados têm nota 18% mais alta em Ciência do que os não motivados. Fatores ligados à atitude e à mentalidade do aluno, conclui a pesquisa, afetam mais seu desempenho do que a origem socioeconômica.

Ao questionar os pais dos estudantes, o Pisa também constatou que eles têm mais expectativa com relação aos filhos do que em relação às filhas para que trabalhem em áreas como Matemática, Tecnologia e Engenharia. “Até em países onde meninos e meninas têm uma performance semelhante em Ciência, a quantidade de meninas que veem a área como uma oportunidade de vida é significantemente inferior que a de meninos. Existe uma ligação emocional e social”, disse ao ‘Estado’ o diretor do Pisa, Andreas Schleicher.

No entanto, países como Finlândia, Suécia, Rússia e Estados Unidos não apresentam mais as diferenças de desempenho em Matemática entre meninos e meninas que ocorriam no começo dos anos 2000. Segundo Schleicher, isso aconteceu porque essas nações deram atenção à questão da desigualdade e passaram a oferecer programas especiais para as meninas nessas áreas.

O Brasil é um dos países em que há mais diferença entre gêneros no desempenho de Matemática no Pisa. Para a secretária executiva do Ministério da Educação (MEC), Maria Helena Guimarães de Castro, a nova base curricular aprovada no País pode ajudar. “Se você tiver um currículo mais instigante, que desperte o espírito investigativo e a resolução de problemas, as meninas podem ter mais interesse pela Matemática e pela Ciência.”

Brinquedos. “A escola brasileira produz desigualdades. Ela acolhe o padrão de desigualdade e ainda tem o efeito perverso de entregar, no fim da educação básica, com mais desigualdade ainda”, diz o superintendente executivo do Instituto Unibanco, Ricardo Henriques. Estudos brasileiros mostram que a diferença nas notas entre os gêneros é menor nos primeiros anos do ensino fundamental e vai aumentando. A entidade financia projetos que estimulem meninas a se envolver com Exatas.

Para Henriques, os estereótipos também são produzidos em casa. “Vai desde a primeira infância, com jogos e brincadeiras diferentes para meninos e meninas, que inibem a performance das jovens.” Brinquedos como blocos de montar e jogos de raciocínio acabam sendo mais direcionados aos meninos, enquanto as meninas ficam com as bonecas.

Essas e outras atitudes sutis, dizem especialistas, acabam estimulando ou não as meninas. “Professores sugerem que alunas não entendem algo porque são mulheres. Um comentário desse pode causar desistência de seguir na área”, diz a doutoranda do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (USP) Bruna Cassol dos Santos, de 27 anos. A pesquisadora se interessou pelas contas ao ver o pai agricultor calcular sacos de milho na sua infância no Rio Grande do Sul. Mais tarde, uma professora de Matemática a inspirou. “Era uma mulher inteligente e falava para eu não desanimar.”

Luana Cattan, de 18 anos, apaixonou-se pela Química também por causa de um professor, que mostrou a disciplina “mais próxima do cotidiano”. Ela é uma das meninas que estão na lista dos melhores do Enem, na 321ª posição. “Na minha casa, pude escolher a área que quisesse. E me esforçar”, conta ela, que cursa Engenharia Química na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

“As meninas têm a mesma capacidade, falta incentivo. Ficam dizendo que os homens têm de ser engenheiros”, diz Felipe Mourad Pereira, de 18 anos, que teve a segunda melhor nota em Matemática do Enem: 990,50. Hoje ele estuda no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e reclama que só 10% da turma é feminina. “É ruim porque a convivência no mundo não é assim. E a faculdade, além do ensino, tem de propiciar outras coisas.” / COLABORARAM ARIEL TONGLET, CECÍLIA DO LAGO e VINICIUS SUEIRO

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: