fbpx

Isolado, MDB deve perder força nos governos estaduais

O governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), que vai tentar a reeleição

O governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), que vai tentar a reeleição – Alan Marques/Folhapress

No comando da Presidência da República desde 2016, com a ascensão de Michel Temer ao Planalto, o MDB deve perder força nos estados nas eleições deste ano e pode eleger o menor número de governadores de sua história.

Ao todo, o partido terá 11 candidatos a governador —número mais baixo desde 1982. Mas apenas dois deles entram na disputa como favoritos, amparados por grandes alianças: Renan Filho (AL) e Helder Barbalho (PA).

Nos demais estados, os emedebistas enfrentam problemas que passam por gestões mal avaliadas, desgaste por suspeitas de corrupção, brigas internas e isolamento em relação aos demais partidos. João Pedro Pitombo – Folha de São Paulo

Dos sete governadores eleitos em 2014, quatro poderiam disputar a reeleição. Renan e José Ivo Sartori (RS) vão para as urnas, mas Paulo Hartung (ES) desistiu de concorrer a novo mandato e Marcelo Miranda (TO) foi cassado no início do ano.

Sartori, contudo, enfrenta desgastes por conta da crise financeira que atingiu o estado, que chegou a atrasar e parcelar salários de servidores. Acabou perdendo aliados como PP, PSDB e PDT, que lançaram candidatos próprios ao governo do estado. Mesmo com as baixas, o partido diz estar confiante na reeleição do governador.

“É legítimo que os partidos do nosso campo político tenham candidatos próprios. Mas acredito que Sartori estará no segundo turno e terá maior capacidade de aglutinar apoios para ganhar a eleição”, afirma o presidente do MDB no Rio Grande do Sul, deputado federal Alceu Moreira.

Em estados como Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e Bahia, o MDB perdeu força que tinha com a prisão de líderes partidários no âmbito da Operação Lava Jato, casos de Sérgio Cabral, Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima.

Nos dois primeiros, o partido não terá candidato próprio. Na Bahia, o ex-ministro João Reis Santana foi lançado candidato, mas deve apenas marcar posição.

Em Mato Grosso do Sul, a recente prisão do ex-governador André Puccinelli, alvo da operação Lama Asfáltica, poderá significar um revés em sua candidatura.

Outro fator que tem pesado para os candidatos emedebistas é o isolamento em relação aos demais partidos. Nacionalmente, o MDB lançou a candidatura de Henrique Meirelles ao Planalto, mas não conseguiu agregar nenhum aliado.

A situação se repete em estados como São Paulo e Goiás. Na disputa paulista, Paulo Skaf não conseguiu atrair aliados e deve disputar a eleição com chapa pura. Em 2014, ele teve o apoio de quatro partidos.

Em Goiás, Vilela negocia com PRB, PP e PDT, mas ainda não fechou nenhuma aliança para enfrentar Ronaldo Caiado (DEM) e José Eliton (PSDB). O emedebista, contudo, não vê a falta de aliados como um obstáculo e acredita que pode encarnar o sentimento do eleitorado goiano por mudança.

“Nosso grupo é que efetivamente representa a oposição em Goiás. Acho que podemos crescer diante do desgaste do atual governo”, afirma.

Nomes experimentados como Roseana Sarney (MA) e José Maranhão (PB) também têm dificuldades em compor alianças fortes.

A filha do ex-presidente José Sarney disputa o governo do Maranhão pela quinta vez com apoio de PV, PSD, PSC, mais partidos nanicos. Já seu principal oponente, o governador Flávio Dino (PCdoB) firmou aliança com 15 partidos, numa composição que vai do PT ao DEM.

Governador da Paraíba por três mandatos, José Maranhão entra na disputa como uma terceira via entre o governista João Azevedo (PSB) e a oposicionista Lucélio Cartaxo (PV). Até agora, o ex-governador conseguiu o apoio apenas do PR.

Em Santa Catarina, onde o MDB assumiu o governo em abril com a renúncia do governador Raimundo Colombo (PSD), o partido lançou a candidatura do deputado federal Mauro Mariani e firmou aliança com PR e PPS.

Para enfrentar a falta de aliados, o MDB conta com o segundo maior tempo de televisão entre os partidos –cerca de 11 dos 95 minutos de propaganda diária, entre o horário eleitoral e inserções na programação.

O partido também terá à disposição R$ 234 milhões do fundo eleitoral. A maioria dos recursos, contudo, será destinado a deputados federais e senadores que disputam a reeleição.

Desde 1982, o pior desempenho do MDB em eleições estaduais foi em 2002 e 2010, ocasiões em que o partido elegeu cinco governadores.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: