Marina rebate declaração de Guedes sobre pobres e diz que degradação ambiental é culpa de ações do governo

Resultado de imagem para marina silva

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede) criticou a declaração do ministro Paulo Guedes (Economia) em Davos (Suíça) que vinculou a degradação ambiental à pobreza. Para ela, são políticas públicas do governo Bolsonaro, como a regularização de áreas griladas, que incentivam o desmatamento na Amazônia.

“O que gera maior critica o maior desmatamento e crime ambiental são os governos”, disse Marina, em entrevista por telefone. “Eles desmontam a governança ambiental, apoiam formas predatórias de uso da floresta e dos recursos naturais, negam o problema das mudanças climáticas, cortam o orçamento do Ministério do Ambiente e ainda têm a falta de noção de dizer que o maior inimigo são os pobres.”

Filha de seringueiros e natural do Acre, Marina foi ministra de 2003 a 2008, no governo Lula. Na pasta, promoveu a criação de unidades de conservação na Amazônia e conseguiu reduzir o desmatamento por meio do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm), extinto pelo governo Bolsonaro.

“É muito cômodo culpar a pobreza pela degradação do meio ambiente. Eles enfraquecem o Ibama, o ICMBio e o Inpe, propõem uma medida provisória pra quem roubou terra pública e aí dizem que os pobres são os inimigos do meio ambiente?”, questionou.

No final de dezembro, Bolsonaro assinou a Medida Provisória 910, que abre espaço para a privatização de terras públicas invadidas ilegalmente até o final de 2018. Para se tornar lei, o texto precisa ser aprovado pelo Congresso.

“É claro que há ações feita por pequenos produtores, mas, se continuássemos com a política de correr atrás dos pequenos enquanto os grandes derrubam mais de mil hectares, nunca teríamos reduzido o desmatamento”, afirma.

Para a ex-ministra, os pobres na Amazônia sofrem com a devastação da floresta. “Eles são vítimas de violência, de perda de suas áreas, de todo o rastro de destruição que tem lá.”

Levantamento do Ipam (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) mostra que 35% do desmatamento ocorrido entre agosto de 2018 e julho de 2019 (Prodes 2019) ocorreu em terras públicas não destinadas, um processo de grilagem. Em segundo lugar, estão os assentamentos, com 27%.

*Folha

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: