“Negligente é o secretário”, rebate presidente do Sindicato de Policiais Penais após fuga em Alcaçuz

A Presidente do Sindicato dos Policiais Penais do Rio Grande do Norte (Sindppen-RN), Vilma Batista rebateu a declaração do secretário da Administração Penitenciária do Estado (Seap-RN), Helton Edi Xavier, sobre haver indícios de negligência que podem ter contribuído para a fuga dos detentos da Penitenciária Estadual Rogério Coutinho Madruga, em Nísia Floresta, no dia 30 de abril. Para a representante da categoria, foi o titular da pasta que agiu com negligência.

Antes da fuga, os detentos Ricardo Campelo da Silva e Gustavo da Rocha Dias estavam na chamada “oficina dos trabalhadores”, um tipo de cela onde os apenados ficam no horário do almoço. De acordo com o secretário, eles escaparam da unidade por volta das 12 horas, durante o almoço. As imagens apontam que os dois fugitivos não tiveram dificuldade para abrir a porta dessa cela, cuja porta deveria estar trancada. “Eles ficam trancados no horário de almoço e o que a gente percebe, pelo menos nesse primeiro momento, é que não houve dificuldade (de abrir a porta)”, disse Helton Edi.

Em entrevista nesta sexta-feira, 3, Vilma Batista disse que a fuga ocorreu em decorrência do efetivo deficitário de policiais presentes na penitenciária. “O secretário sempre foi consciente e nada fez para aumentar o efetivo daquela unidade, onde temos 602 presos, três organizações criminosas se digladiando todos os dias”, pontuou ela.

Para ela, o secretário foi negligente ao não aumentar o número de policiais na unidade. “O secretário coloca vários presos para trabalhar sem a devida vigilância, porque esses presos que fugiram estavam em uma oficina sem a devida vigilância porque não tem como 20 policiais penais, que estavam em serviço, ficar um só no monitoramento olhando 80 câmeras”, disse.

A Seap informou que afastou quatro policiais penais e que abriu uma sindicância e um processo administrativo disciplinar para apurar se houve negligência por parte dos policiais. Vilma, por sua vez, pediu o afastamento de Helton Edi Xavier.

“O secretário não tem conhecimento algum do sistema prisional, muito menos de segurança pública. Com certeza ele iria dar essa satisfação política do que aconteceu, quando na verdade o negligente sempre foi e é o secretário. Eu acho que o afastamento [dos policiais] foi uma forma administrativa que ele encontrou de tentar camuflar a ingerência da gestão. Nós, inclusive, pedimos que a governadora afaste o próprio secretário. Porque se os policiais estão sendo afastados para apurar o que aconteceu, ele também deve ser afastado para saber porque ele não tomou as providências”, afirmou.

Com informações do Agora RN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.