fbpx

Novo ministro frustra Centrão, que não vê guinada na Saúde e destaca elo com a família Bolsonaro

Marcelo Queiroga durante evento no Senado: médico foi escolha pessoal do presidente para o Ministério da Saúde. — Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Políticos aliados ao governo Bolsonaro, principalmente do Centrão, descartam a concessão de carta branca ao novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na condução dos protocolos para combate à pandemia.

A decisão de indicar Queiroga – e não Ludhmila Hajjar – frustrou o Centrão e também ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que pediram ao presidente nos últimos dias uma guinada no Ministério da Saúde com a escolha de um nome técnico, como o da médica, que defende posições contrárias ao negacionismo do governo.

Eles dizem que Queiroga é uma escolha pessoal do presidente – nas palavras de um auxiliar direto, “uma escolha familiar”, já que Queiroga é ligado ao senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

No Centrão, o médico conta com apoio de Marcos Pereira, presidente do Republicanos, mas assessores presidenciais admitem que a indicação tem a digital de Flávio, e que a maioria do grupo de partidos está frustrada.

Por conta da proximidade de Queiroga com a família, esses aliados avaliam que o novo ministro seguirá ordens do presidente, fazendo uma gestão de continuidade. Observam, como termômetro, se ele conseguirá nomear uma equipe diferente da de Pazuello, por exemplo, ou se terá de manter assessores que agradam ao presidente.

Parlamentares afirmam que, em um primeiro momento, a troca na Saúde servirá para dar impressão de que há uma “nova roupagem” para o discurso sobre a Saúde, pois vai “zerar” a discussão sobre a vacina – ou seja, diferentemente de Pazuello, que coleciona passivos menosprezando a vacinação em linha com o discurso do presidente, o novo ministro vai adotar a tônica de que a vacinação é prioridade.

No entanto, acreditam parlamentares, Queiroga dificilmente irá contrariar o presidente publicamente a respeito de tratamento precoce – bandeira de Bolsonaro sem comprovação científica –, isolamento e lockdown.

Médicos ouvidos pelo blog também descartam uma postura de enfrentamento de Queiroga com Bolsonaro para defender comprovações científicas. Ressaltam que, além da ligação com Flavio, ele é um entusiasta da figura do presidente desde 2018, tendo apoiado o projeto de campanha.

G1

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: