fbpx

O Palácio dos Bandeirantes petista

PSD quer Alckmin candidato para governo de SP e vê chapa com Lula como  'erro' | Blog da Andréia Sadi | G1

Há duas taças nas quais Lula (foto) quer colocar as mãos: a primeira, obviamente, é a presidência da República. Se for eleito, vai propagandear — falsamente — que as urnas o absolveram, coisa que a Justiça não fez, ao contrário do que dizem os petistas (anulação de processo não é absolvição). A outra taça é bastante vistosa também e, mesmo com Lula no Palácio do Planalto, o PT jamais foi capaz de ganhá-la: o governo do estado de São Paulo. Comandar o estado mais rico do país, uma fortaleza tucana, é ótima argamassa para a reconstrução do projeto de poder do partido, para além do ineditismo da conquista.

roteiro de Lula está bem desenhado. Depois de tirar Geraldo Alckmin (foto) da disputa pelo Palácio dos Bandeirantes, ao oferecer-lhe a vaga de vice na chapa presidencial, o chefão petista quer que Guilherme Boulos, do PSOLdesista de ser candidato ao governo do estado, para compor com Fernando Haddad, que, sem Alckmin no páreo, lidera as pesquisas eleitorais. Em troca, o PT apoiaria Guilherme Boulos para prefeito de São Paulo, em 2024. Ao mesmo tempo, Lula tenta convencer Márcio França, do PSB, a desistir de concorrer ao Palácio dos Bandeirantes, para tentar o Senado. Com isso, uniria a esquerda em São Paulo, com chance até de matar a eleição no primeiro turno. A recente operação da Polícia Civil contra o socialista, aliás, veio muito a calhar para o PT — mais até do que para João Doria. Deu uma murchada na candidatura de Márcio França ao Palácio dos Bandeirantes.

O candidato de João Doria, Rodrigo Garcia, tem um grande problema para decolar, para além de ser um personagem desconhecido: a rejeição que boa parte do eleitorado nutre em relação ao atual governador. A aposta é que a candidatura de João Doria ao Palácio do Planalto afunde ainda mais Rodrigo Garcia, que não poderá esconder o seu criador durante a própria campanha. Ainda não está claro se o antipetismo em nível estadual será capaz de anular a rejeição ao atual governador.

Ao fim e ao cabo dessa história, após se deixar tirar da corrida ao Palácio dos Bandeirantes, traindo a sua base eleitoral ao aliar-se a Lula, Geraldo Alckmin poderá ser fritado pelo chefão petista, se ele julgar que o ex-tucano não terá tanta serventia para atrair nacionalmente os eleitores mais ao centro no espectro ideológico. Alckmin poderá ser substituído, por exemplo, por Rodrigo Pacheco, do PSD. Gilberto Kassab jura que só apoiará Lula num eventual segundo turno, mas, se o chefão petista permanecer firme e forte em primeiro lugar nas pesquisas, o cacique pessedista poderá aderir logo Lula, em troca de uma dobradinha na chapa presidencial. Rodrigo Pacheco seria um ótimo chamariz em Minas Gerais — o segundo colégio eleitoral do país que conta com a particularidade de ser meio Nordeste, meio Sudeste e com um pé no Centro-Oeste. Em resumo, Rodrigo Pacheco seria um José Alencar 2.0, em termos eleitorais.

A fritura de Geraldo Alckmin, aliás, já começou: todas essas manifestações públicas das “alas radicais” do PT contra a aliança com o ex-tucano são uma boa desculpa para que Lula venha a descartar Geraldo Alckmin, em nome da unidade partidária. O chuchu, então, terá perdido o sabor que havia adquirido.

O jogo segue.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: