Falta de resposta do papa causa dano à igreja, diz adversário de Francisco

Cardeal Raymond Burke na praça São Pedro, Vaticano

Para o maior adversário do papa Francisco dentro da Igreja Católica, a recusa do pontífice em esclarecer pontos de seu controverso documento sobre o casamento está causando “um grande dano” à milenar instituição.

“Há crescentes confusão e divisão” entre os membros da igreja, laicos ou não, diz o cardeal americano Raymond Burke, 67. Principal antípoda conservador do papa argentino, ele ganhou notoriedade ao liderar o questionamento do documento “Amoris Laetitia” (“Alegria do Amor”, em latim), publicado em 2016. As informações são do jronal Folha de São Paulo.

Leia maisFalta de resposta do papa causa dano à igreja, diz adversário de Francisco

Aécio é tão rejeitado quanto Lula, diz Datafolha

Resultado de imagem para lula e aecio

O senador Aécio Neves (MG), que terminou em segundo em 2014 e hoje é investigado sob suspeita de corrupção e caixa dois, é o exemplo mais eloquente da crise tucana, segundo pesquisa do Datafolha.

É tão rejeitado quanto Lula: não votariam nele 44%, contra 30% no levantamento de dezembro passado. Sua intenção de voto oscilou de 11% para 8%, quando era de 26% no fim de 2015.

Já o governador Geraldo Alckmin (SP) viu sua rejeição pular de 17% para 28%, e sua intenção de voto oscilou para baixo, de 8% para 6%. Até a delação da Odebrecht, em que é suspeito de receber R$ 10,7 milhões em caixa dois, ele passava relativamente ao largo da Lava Jato. As informações são do jornal Folha de São Paulo

Com Temer rejeitado, 85% defendem eleição direta, aponta Datafolha

A impopularidade do governo Michel Temer (PMDB) cresceu e já é comparável à de sua antecessora, Dilma Rousseff (PT), às vésperas da abertura do processo de impeachment que acabou por cassá-la em 2016.

Segundo pesquisa do Datafolha, a gestão do peemedebista tem 61% de avaliação ruim ou péssima, com 28% a considerando regular e apenas 9%, ótimo ou bom.

Logo antes de a Câmara afastá-la, em abril do ano passado, Dilma tinha 63% de rejeição e 13% de aprovação. Era um número inferior ao recorde da própria petista, o maior aferido pelo instituto desde a redemocratização de 1985: 71% de ruim/péssimo e 8% de ótimo/bom, em agosto de 2015.

Os 9% de aprovação são também similares à taxa de Fernando Collor de Mello antes de ser impedido, em setembro de 1992, embora a reprovação fosse maior (68%). As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Leia maisCom Temer rejeitado, 85% defendem eleição direta, aponta Datafolha

Bolsonaro sobe de 9% para 15% e de 8% para 14% nos dois cenários da pesquisa

Resultado de imagem para bolsonaro

O deputado Bolsonaro, que tem posições conservadoras e de extrema direita, subiu de 9% para 15% e de 8% para 14% nos dois cenários em que é possível acompanhar a evolução. Nesses e em outros dois com candidatos diversos, Bolsonaro empata com Marina.

Ele é o segundo nome mais lembrado de forma espontânea, com 7%. É menos que os 16% de Lula, mas acima dos 1% dos outros, segundo a Folha de São Paulo.

Com uma intenção de voto concentrada em jovens instruídos e de maior renda, Bolsonaro se favorece da imagem de “outsider” com baixa rejeição (23%) e do fato de que o Datafolha já registrava em 2014 uma tendência conservadora no eleitorado.

Ele parece ocupar o vácuo deixado por lideranças tradicionais de centro-direita do PSDB, golpeadas na Lava Jato, confirmando a avaliação de que há espaço para candidaturas que se vendam como antipolíticas em 2018.

Lula amplia liderança para 2018, e Bolsonaro chega a 2º, diz Datafolha

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) cresceu e aparece no segundo lugar da corrida para a Presidência em 2018, empatado tecnicamente com a ex-senadora Marina Silva (Rede).

É o que aponta a primeira pesquisa Datafolha após a divulgação de detalhes da delação da Odebrecht, que atingiu em cheio presidenciáveis tucanos –que veem o prefeito paulistano, João Doria (PSDB), surgir com índices mais competitivos.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por sua vez, mantém-se na liderança apesar das menções no noticiário recente da Lava Jato.

O Datafolha fez 2.781 entrevistas, em 172 municípios, na quarta (26) e na quinta (27), antes da greve geral de sexta (28). A margem de erro é de dois pontos percentuais. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Dilma sofre de ‘amnésia moral’, diz marqueteiro João Santana

Dilma

Marqueteiro afirma ao TSE que, ‘infelizmente’, presidente cassada sabia de caixa 2 e se sentia chantageada por Marcelo Odebrecht

O uso de caixa 2 na campanha eleitoral de Dilma Rousseff (PT) em 2014 reforçou a percepção de que os políticos brasileiros sofrem de “amnésia moral”, disse em depoimento sigiloso à Justiça Eleitoral o marqueteiro João Santana, responsável pelas campanhas do PT à Presidência da República em 2006, 2010 e 2014. Segundo o publicitário, Dilma “infelizmente” sabia do uso de recursos não contabilizados em sua campanha e se sentia “chantageada” pelo empreiteiro Marcelo Odebrecht.

De acordo com Santana, a petista teria sido uma “Rainha da Inglaterra” em se tratando das finanças de sua campanha, não sabendo de todos os detalhes dos pagamentos efetuados.

No entanto, indagado se a presidente cassada tinha conhecimento de que parte das despesas era paga via caixa 2, o marqueteiro foi categórico: “Infelizmente, sabia. Infelizmente porque, ao me dar confiança de tratar esse assunto, isso reforçou uma espécie de amnésia moral, que envolve todos os políticos brasileiros. Isso aumentou um sentimento de impunidade”. As informações são da Agência Estado.

Leia maisDilma sofre de ‘amnésia moral’, diz marqueteiro João Santana

PSDB grava programa só com as caras novas da sigla

O PSDB começou neste fim de semana as gravações para seu programa nacional de televisão, que será exibido dia 15 de maio. Com quadros tradicionais extremamente desgastados pelos desdobramentos da Operação Lava Jato, até agora só novos rostos na estrutura da legenda foram acionados para aparecer.

Integrantes da sigla admitem que é “improvável” a exibição de nomes há pouco vistos como os maiores símbolos do tucanato, como Aécio Neves e Geraldo Alckmin.

Unidos pela dor, Aécio e Alckmin marcaram para esta semana uma conversa. O senador mineiro virá a São Paulo para encontrar o governador. Será a primeira reunião após a avalanche que a delação da Odebrecht fez desabar sobre os dois. As informações são da coluna Painel da Folha de São Paulo.

Lula diz ver espaço para diálogo com FHC, mas refuta conversa com Temer

Lula participa seminário sobre economia, promovido pelo PT e pela Fundação Perseu Abramo, em Brasília (DF), nesta segunda

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez nesta quarta-feira (26) um aceno público em direção à abertura de diálogo com Fernando Henrique Cardoso (PSDB), seu antecessor no Palácio do Planalto.

“Eu fiquei muito agradecido quando ele foi me visitar no hospital, foi visitar a dona Marisa, e acho que há um espaço para conversar sobre reforma política e também discutir sobre economia, não tem problema”, afirmou em entrevista ao SBT.

Lula refutou, no entanto, a possibilidade de aproximação com o presidente Michel Temer (PMDB). Disse que, “sinceramente”, não tem interesse em conversar com ele. “A forma como ele chegou ao governo não condiz, inclusive, com as conversas que tive com ele.”

Desde a visita de FHC e Temer ao petista durante o período em que a ex-primeira dama Marisa Letícia estava internada, em fevereiro deste anos, auxiliares do trio tratam da possibilidade de conversas, principalmente em torno da reforma política.

Na entrevista, o petista disse também que não vai fazer “nenhum acordo sobre a Lava Jato”. “Se tiver de ter reunião entre os políticos, tem de ser os presidentes dos partidos que puxem, é para discutir reforma política”

Leia maisLula diz ver espaço para diálogo com FHC, mas refuta conversa com Temer

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: