Alckmin diz que Temer precisa explicar melhor a Reforma da Previdência

Geraldo Alckmin

Segundo o governador, a reforma “é para acabar o Robin Hood às Avessas”, já que hoje o “um trabalhador de um salário mínimo é quem paga os benefícios de R$ 40 a R$ 50 mil”

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), sugeriu nesta segunda-feira (1º) ao presidente Michel Temer uma melhor comunicação na Reforma da Previdência.

“Quero dar sugestão ao presidente Tremer: precisamos explicar melhor a reforma da Previdência”, disse Alckmin, que elogiou a aprovação dos projetos de reforma Trabalhista e de regulamentação na terceirização, durante a abertura da Agrishow, em Ribeirão Preto (SP). “A reforma trabalhista é um salto para promover emprego e desenvolvimento no Brasil.”

Leia maisAlckmin diz que Temer precisa explicar melhor a Reforma da Previdência

Odebrecht é ‘quarto poder da República’, diz empresária

000_Mvd6749454.jpg

Mônica Moura disse que a empreiteira assumiu totalmente o caixa 2 do marketing político da campanha de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República em 2014

Em depoimento sigiloso à Justiça Eleitoral, a empresária Mônica Moura definiu a Odebrecht como um “quarto poder” que expandiu sua atuação para todas as áreas no Brasil e pagou “todo mundo”. Segundo a delatora, a empreiteira assumiu totalmente o caixa 2 do marketing político da campanha de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República em 2014.

Mônica tratava de questões financeiras e operacionais da campanha, enquanto o marqueteiro João Santana, seu marido, cuidava da parte criativa. Os dois prestaram depoimento na segunda-feira passada no Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) no âmbito da ação que apura se a chapa de Dilma e Michel Temer (PMDB) cometeu abuso de poder político e econômico para se reeleger em 2014. As informações são da Agência Estado.

Leia maisOdebrecht é ‘quarto poder da República’, diz empresária

60% da população vê patrões favorecidos por reforma trabalhista, diz Datafolha

Para 60% dos brasileiros, os empresários saem mais beneficiados com as novas leis trabalhistas do que os trabalhadores, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira pelo jornal “Folha de S.Paulo”. Ao menos 63% dos entrevistados afirmaram que a terceirização seria responsável pelo novo cenário, enquanto 64% dizem isso da reforma como um todo.

Sancionada pelo presidente Michel Temer em 31 de março, a lei da terceirização permite que uma empresa contrate outra para a realização de suas atividades-fim. Segundo o instituto, 34% dos entrevistados acreditam que haverá maior oferta de empregos, enquanto 31% não creem em mudanças. Para 44% os salários não devem sofrer modificações. No entanto, 35% (e 27% dos empresários ouvidos) acreditam que a remuneração será reduzida com as reformas.

Leia mais60% da população vê patrões favorecidos por reforma trabalhista, diz Datafolha

Doria recebe flores de manifestante ciclista e as joga no chão

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), recebeu flores de uma ciclista na tarde deste domingo e as jogou fora em seguida, quando saía de carro após participar da inauguração da Japan House, centro cultural japonês, em São Paulo, ao lado do presidente Michel Temer e do governador Geraldo Alckmin.

“Esta flor é em homenagem aos mortos nas marginais”, disse a ciclista. Doria não aceitou o presente. A ciclista então colocou o braço pela janela do passageiro e deixou o ramalhete no painel do veículo. O prefeito pegou as flores e as atirou no chão. “Agradeço”, respondeu.

Em nota, a assessoria da Prefeitura de São Paulo informou que “o prefeito reagiu a um gesto invasivo e desnecessário”. As informações são de O Globo.

Leia maisDoria recebe flores de manifestante ciclista e as joga no chão

Marcelo Odebrecht aconselha Palocci sobre delação premiada

Antonio Palocci (front), former finance minister and presidential chief of staff in recent Workers Party (PT) governments, is escorted by federal police officers as he leaves the Institute of Forensic Science in Curitiba, Brazil, September 26, 2016. REUTERS/Rodolfo Buhrer ORG XMIT: BRA103

Há alguns dias, o ex-ministro petista Antonio Palocci entrou na cela de Marcelo Odebrecht, na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, falando em italiano. Minutos depois, os dois riram. Assim como a dupla, os companheiros que estavam ao lado caíram na gargalhada, segundo relatos obtidos pela Folha.

A brincadeira, que se tornou comum entre os dois presos da Lava Jato, é uma referência ao codinome “italiano” dado ao petista na Odebrecht em operações que envolviam repasses de propina e caixa dois.

Não é raro Palocci se dirigir ao herdeiro da Odebrecht, usando palavras do idioma e dizendo, em tom de brincadeira, que não é o italiano.

Os dois convivem desde setembro, quando Palocci foi preso. Naquela época, Marcelo estava detido havia um ano e três meses. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Leia maisMarcelo Odebrecht aconselha Palocci sobre delação premiada

STF avalia se Lula, réu, pode ser candidato à Presidência em 2018

Não há consenso entre ministros sobre proibição de candidatura

POR CAROLINA BRÍGIDO E ANDRÉ DE SOUZA – O Globo

Presidente da República não pode virar réu. Caso vire, é afastado de suas funções. É o que diz a Constituição. Um réu não pode nem sequer ficar na linha sucessória da Presidência, como decidiu o Supremo Tribunal Federal. Mas e o contrário? Réu pode ser candidato a presidente da República?

O debate, longe de ser retórico, se aplica ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, réu em cinco ações, candidato declarado à Presidência em 2018 e líder nas pesquisas. Entre os ministros do STF ouvidos pelo GLOBO, não há consenso. Um deles defendeu a proibição de candidaturas de réus, o que pode vir a afetar os planos de Lula. Outros dois ministros acreditam que a vedação não atinge candidatos, apenas quem já está no cargo.

O ministro Marco Aurélio Mello é um dos que não veem problemas jurídicos em réus serem candidatos a presidente. Ele destacou que, quando alguém é eleito presidente, a ação a que respondia fica suspensa. A Constituição diz que um presidente não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções.

Leia maisSTF avalia se Lula, réu, pode ser candidato à Presidência em 2018

Temer se beneficiou de caixa dois, afirma João Santana

CURITIBA,PR, BRASIL, 23.02.2016 - CHEGADA DE JOAO SANTANA NO PR: Joao Santana preso na 23 fase da Operacao Lava-Jato denominada de Acaraje chega no IML em Curitiba-PR para realizar exame do corpo de delito. Foto: Heuler Andrey/FolhaPress PODER ***Exclusivo***

O marqueteiro João Santana afirmou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que o presidente Michel Temer também se beneficiou do caixa dois repassado à campanha presidencial de 2014.

Para ele, o peemedebista, candidato a vice de Dilma Rousseff (PT), “gerou prova” contra si mesmo ao participar de gravações de propaganda política.

Segundo Santana, Temer atuou nas propagandas porque “encheu o saco” e pediu “sistematicamente” isso.

A Folha de São Paulo teve acesso ao depoimento, prestado na semana passada, ainda sob sigilo.

Leia maisTemer se beneficiou de caixa dois, afirma João Santana

Empreiteira OAS pretende delatar dois ministros do STJ

SÃO PAULO, SP, 18.08.2014: LIVRO-LANÇAMENTO - O corregedor-geral da Justiça Federal, Humberto Martins, no coquetel de lançamento do livro "Direito Privado - Teoria e Prática", do ministro do STJ, Luis Felipe Salomão, em São Paulo. (Foto: Raquel Cunha/Folhapress)///ORG XMIT: 572101_1.tif Benedito Gonçalves, indicado para o Supremo Tribunal da Justiça (STJ), durante sabatina na CCJ do Senado, em Brasília (DF). (Brasília (DF), 13.08.2008. 11h00. Foto de Lula Marques/Folhapress)

Da esquerda para direita, os ministros do STJ Humberto Martins e Benedito Gonçalves

Bela Megale e Walter Nunes – Folha de São Paulo

Os ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Humberto Martins, atual vice-presidente da corte, e Benedito Gonçalves foram citados nas negociações de delação premiada da OAS com procuradores da Lava Jato.

Pessoas ligadas às tratativas relataram à Folha que eles são apontados como beneficiários de recursos por atuação no tribunal favorecendo a empreiteira.

No caso de Martins, os executivos afirmam que o dinheiro foi repassado por meio de seu filho Eduardo Filipe, que também teria se beneficiado. Advogado, ele tem escritório em Brasília e atua em causas junto ao STJ.

Leia maisEmpreiteira OAS pretende delatar dois ministros do STJ

Para 60% dos brasileiros, novas leis trabalhistas beneficiam os patrões

Os brasileiros acham que a reforma trabalhista e a terceirização privilegiam mais os empresários do que os trabalhadores —e os próprios empresários pensam assim, de acordo com o Datafolha.

Segundo o instituto, 64% dos entrevistados acham isso da reforma e 63% dizem o mesmo sobre a terceirização.

Para 34% dos ouvidos pelo Datafolha, a nova legislação deve aumentar a criação de empregos. Outros 31% consideram que não haverá mudança e igual parcela prevê que vagas serão fechadas. As informações são da Folha de São Paulo.

Leia maisPara 60% dos brasileiros, novas leis trabalhistas beneficiam os patrões

Programa de quatro mil cestas básicas ainda não saiu do papel em Assú

O programa de cestas básicas para beneficiar aproximadamente 4 (quatro) mil pessoas carentes e de baixa renda, uma das promessas de campanha do atual prefeito do Assú Gustavo Soares, na hora que precisava de voto, não saiu do papel, mas o emprego para a mãe dele, Rizza Montenegro, engordando a conta bancária da oligarquia Montenegro/Soares, saiu logo no primeiro dia do governo.

Com salário de R$ 7 mil, Rizza, a mãe do deputado George Soares que ganha como aposentada da Assembléia mais de R$ 13 mil mensal, agora fatura mais de R$ 20 mil/mês. Até o final do ano, a mãe do prefeito do Assú e do deputado do PR, vai receber mais de R$ 240 mil, o que representa mais de R$ 1 milhão durante os quatros de mandato do filho.

Enquanto a sua mãe é contemplada com um gordo salário mensal, o prefeito para justificar a falta do benefício para milhares de famílias carentes, ele alega que encontrou a Prefeitura do Assú cheia de dívidas e pede um tempo para colocar a ‘casa em ordem’.

Só 10% dos brasileiros têm previdência privada, indica Datafolha

A maioria da população brasileira está despreparada financeiramente para um aperto nas regras de acesso à aposentadoria e uma redução no valor dos benefícios.

Só 38% dos entrevistados na pesquisa do Datafolha dizem aplicar em poupança e outros investimentos, e só 10% têm planos de previdência privada —tipo de investimento de longo prazo que costuma ser usado para o momento da aposentadoria.

Os porcentuais se elevam com a escolaridade e o nível de renda do entrevistado. Possuem plano de previdência privada 22% dos que terminaram a faculdade, contra 5% dos que só concluíram o ensino fundamental. As informações são da Folha de São Paulo.

Leia maisSó 10% dos brasileiros têm previdência privada, indica Datafolha

71% dos brasileiros são contra reforma da Previdência, mostra Datafolha

Reforma da Previdência e os principais pontos

Sete em cada dez brasileiros se dizem contrários à reforma da Previdência, mostra pesquisa realizada pelo Datafolha. A rejeição chega a 83% entre os funcionários públicos, que representam 6% da amostra e estão entre os grupos mais ameaçados pelas mudanças nas regras para aposentadorias e pensões.

Há maioria antirreforma entre todos os grupos sociodemográficos, e a taxa cresce entre mulheres (73%), brasileiros que ganham entre 2 e 5 salários mínimos (74%), jovens de 25 a 34 anos (76%) e os com ensino superior (76%).

O Datafolha fez 2.781 entrevistas em 172 municípios na quarta (26) e na quinta (27), antes das manifestações ocorridas na última sexta-feira (28). A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Eduardo Cunha repartiu caixa 2 de R$ 6 mi com Henrique Alves e governador do Tocantins, afirmam delatores

Ex-presidente da Câmara, condenado a 15 anos de prisão na Lava Jato, exigiu valores ilícitos da Odebrecht em 2014, segundo executivos da empreiteira relataram ao Ministério Público Federal

Luiz Vassall – O Estado de São Paulo

O ex-deputado federal Eduardo Cunha, condenado a 15 anos e 4 meses de prisão no âmbito da Lava Jato, pediu R$ 7 milhões em caixa dois para a Odebrecht, que foram divididos entre as campanhas dele, de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) ao governo do Rio Grande do Norte e do governador Marcelo Miranda (PMDB-TO), em 2014, relataram delatores ao Ministério Público Federal.

O ex-presidente da Odebrecht Ambiental Fernando Reis afirmou que Eduardo Cunha ‘apresentava aos diretores da Odebrecht uma série de candidatos’ a ser financiada pela construtora. “Ele fazia essa introdução e deixava depois os candidatos conversando conosco”.

“Uma vez, nos pediu um apoio para a campanha a um cabo eleitoral em Itaboraí (região metropolitana do Rio). O prefeito de Itaboraí era da base de apoio dele. Pediu R$ 300 mil. Nós doamos. Tive percepção de que aquele dinheiro era para outros. Nunca entrei no mérito”, afirmou.

Nas eleições de 2014, segundo relatou Fernando Reis, Cunha pediu R$ 6 milhões. Do total, R$ 2 milhõesseriam destinados à campanha do então presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), ao governo do Rio Grande do Norte, e R$ 1 milhão ao então candidato ao governo do Tocantins Marcelo Miranda (PMDB).

Leia maisEduardo Cunha repartiu caixa 2 de R$ 6 mi com Henrique Alves e governador do Tocantins, afirmam delatores

Mobilidade e saneamento terão R$ 5,9 bilhões do FGTS

O presidente Michel Temer vai divulgar nas próximas semanas o investimento de R$ 5,9 bilhões de recursos do FGTS para as áreas de saneamento e mobilidade. Do total de recursos, R$ 2,2 bilhõesserão destinados para drenagem e abastecimento de água, enquanto R$3,7 bilhões serão para as áreas de mobilidade urbana.

O Ministério das Cidades prepara o mapa das as regiões no País inteiro que devem receber as verbas. As cidades escolhidas serão anunciadas por Temer durante a Marcha dos Prefeitos, de 15 a 18 de maio, em Brasília. As informações são da Coluna do Estadão.

João Santana diz que Vaccari tentava usá-lo para mandar recados a lideres petistas

No depoimento prestado ao TSE, o publicitário João Santana reconheceu que não se dava bem com o ex-tesoureiro petista João Vaccari, segundo a Coluna do Estadão.

Santana reclamou que Vaccari queria usar seu trânsito com os principais líderes petistas para mandar recados estratégicos. O marqueteiro disse que considerava que Vaccari não tinha legitimidade ou competência para isso.

%d blogueiros gostam disto: