Pandemia mostra um Bolsonaro incapaz de proteger vida, emprego e democracia

O Brasil parece viver um grande Dia da Marmota, eternizado na comédia “O Feitiço do Tempo”, com Bill Murray e Andie Mac Dowell, na qual um mesmo dia se repete indefinidamente. Por aqui, sentimos isso acontecer desde Primeiro de Janeiro de 2019.

“AI-5! AI-5! AI-5! AI-5!” Jair Bolsonaro dirigiu-se com carinho a uma multidão que pedia golpe militar e fechamento do Congresso Nacional. Não repreendeu aqueles que exigiam um novo Ato Institucional número 5 (que deu poderes à ditadura para descer o cacete geral em 1968) como era de se esperar de alguém que jurou proteger a Constituição. Pelo contrário, expressou apreço pelo papel desempenhado pelo “povo”, ali, naquele momento.

A cena acima não aconteceu, neste domingo (19), quando o presidente discursou em uma manifestação golpista que pedia um AI-5, em frente ao Quartel General do Exército. Mas na manifestação golpista que pedia um AI-5, em frente ao Palácio do Planalto no domingo, 15 de março.

A cada ato e declaração de Bolsonaro apoiando a morte da democracia, uma onda de indignação toma conta de uma parte das redes sociais. Ela dá a impressão equivocada de que o impeachment está logo ali, na esquina, e que o Brasil não suporta mais um governante incapaz e autoritário. Enquanto isso, outra parte se incendeia, fazendo crer que é iminente o fechamento do Congresso e do Supremo pelos militares que apoiam Jair Messias, bastando um empurrãozinho.

A polêmica torna-se o assunto principal nos dias seguintes, dando energia ao governo e nublando o essencial.

De lado a lado, a impressão é que algo está prestes a acontecer. Mas deixemos as redes sociais por um instante. De acordo com a pesquisa Datafolha, divulgada na última sexta (17), 36% da população aprova o governo Bolsonaro em meio à crise da pandemia de coronavírus – era 33%, duas semanas atrás. Os que o reprovam saiu de 39% para 38%, enquanto o total de regular saiu de 25% para 23%.

Questionados se Bolsonaro tem capacidade de liderar o Brasil, 52% disse que sim e 44%, que não. A margem de erro é de três pontos para mais ou para menos. Com esses números, não se cassa um governante, mas tampouco se realiza um golpe de Estado.

O presidente coleciona crimes de responsabilidade desde que se sentou na cadeira presidencial. Mas pior do que suas declarações contra a democracia é o desmonte nas instituições de monitoramento e controle que tem realizado cuidadosamente. Com isso, já digeriu o Coaf, a Receita Federal, a Polícia Federal e, claro, a Procuradoria-Geral da República. Consequentemente, isso torna mais difícil responsabilizá-lo pelos desvios de conduta.

Como impeachment é julgamento político e não técnico, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não colocaria em marcha um processo contra Jair nesse contexto. Deve esperar que ele caia para a faixa de 12% a 15% de aprovação – que é o pedaço que salta no abismo se ele ordenar. Ou, para demonstrar seu apoio ao “mito”, buzina em carreata em frente a hospitais ou impede ambulância de passar.

As ruas poderiam empurrar o Congresso, mas não há a possibilidade de manifestações de rua neste momento. Dilma Rousseff, que é uma pessoa que entende de impeachment, pois já sofreu um, lembrou a mim e a Guilherme Maziero, em entrevista ao UOL, que “só bater panela contra Bolsonaro não adianta”, mas que “manifestação social no isolamento é uma coisa meio difícil”.

E mesmo se houvesse essa possibilidade, é difícil imaginar que esses protestos derrubariam a sua aprovação. Uma queda deve vir do aumento significativo na contagem de mortos do coronavírus – que ele, primeiro, menosprezou a gravidade, depois, sabotou as políticas de combate. E, mais provavelmente, da dificuldade de retomada nos empregos pós-crise.

A economia já patinava antes da pandemia, apesar da tentativa do governo de recontar a história de um outro jeito. Agora, o presidente sabe que está com lama até o pescoço e busca, desesperadoramente, jogar a responsabilidade nas medidas de isolamento social baixadas por governadores, como João Doria (PSDB) e Wilson Witzel (PSC). E não em sua própria demora em implementar medidas decentes para salvar empregos e empresas.

A demora em sair de uma economia em ruínas pode levar à perda de paciência e, com isso, perda de popularidade. O que abre uma janela de oportunidade para cassar seu mandato. Ou, se o Brasil aguentar, mantê-lo sangrando até outubro de 2022.

Pelo que se escuta, uma solução não deve ser tomada no meio da crise. Há um impasse: o Congresso não consegue cassá-lo agora e ele não tem força para deixar de lado sua tutela militar e baixar um autogolpe.

Isso não significa que não dê azia, domingo após domingo, vermos o presidente da República queimando a Constituição na frente de um prédio público diferente.

Mas isso vai continuar se repetindo no curto prazo. Como consequência, o esgarçamento institucional é irreparável. Além de mortes e desemprego, Bolsonaro vai entregar uma democracia menor após a pandemia.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: