PARTE I: A história política nua e crua de Ronaldo Soares e seus filhos em Assú e no Vale e de como chegaram aonde estão com enganação e mentiras

A história dos Soares no Vale do Açú é verdadeiramente digna de um filme ou um livro, mas não um virtuoso ou de esperança, mas sim de terror, digno de ser contado por Edgar Alan Poe, escritor americano conhecido por suas histórias que envolvem o mistério e o gótico.

Os Soares que hoje administram a sua oligarquia na cidade do Assú e no Vale, são os protagonistas de uma verdadeira história de terror, que envolve mentiras, ameaças, traição, disputas e enganação a população do Assú, que até hoje, não conseguiu se desvencilhar por completo dessa herança “intragável”.

O BLOG DO VT está inaugurando com está postagem com o Título Parte I, uma série de matérias, que irão abordar a história política da família Soares, suas alianças, traições e mentiras ao longo dos anos e o que fizeram para se manter no poder, até os dias de hoje, uma herança política que passou de pai para filho, e que atualmente figura como uma das oligarquias mais fortes e intimidatórias do Estado do RN.

O grande filósofo e cientista político Nicolau Maquiavel, que deixou como legado e registro em suas obras o histórico da trajetória política universal, explicou que partindo de um estado “sem governo” que existiu no início da vida em sociedade, os homens para se defenderem escolheram como chefe o mais forte, no entanto, com o passar do tempo, perceberam que o mais forte nem sempre era o melhor para chefiar, e passaram a buscar o mais justo e mais sensato. Essa escolha do mais justo e sensato se degenerou com o tempo e virou uma monarquia (poder exercido pelos reis) que se tornou hereditária.

Mas como tudo na vida, que o que é ruim ainda pode ficar pior, a crescente degeneração da monarquia através da corrupção e o deslumbramento do poder, deu lugar à forma de governo chamada tirania, onde os ricos e nobres conspiraram se apoderando do governo e instituindo a aristocracia (forma de governo onde apenas os mais ricos e nobres exercem o poder político) e passaram a governar em proveito próprio transformando a aristocracia com o passar do tempo, na pior forma de governo, ou seja, a Oligarquia (forma de governo que concentra o poder em uma só família). Inspirado nesse modelo político, Ronaldo da Fonseca Soares, iniciou na cidade de Assú, em 1982, a oligarquia Soares.

Ronaldo Soares que à época era apenas um garoto latino americano, sem dinheiro no banco – mas que diferente da música que diz sem parentes importantes, Ronaldo tinha parentes importantes, pois era genro do ex-prefeito do munícipio Edgar Montenegro, sendo escolhido pelo seu sogro para ser candidato a prefeito e assim perpetuar a história política dos Montenegro, que há 70 anos vinha governando o Vale do Açú, e que já nutria em si a vaidade da ambição, egoísmo e sobretudo, PODER. Segue amanhã a Parte II.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: