Perito nega ter dado nova versão sobre edição de áudios

Ricardo Caires dos Santos, perito que afirmou à Folha que a gravação da conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista apresentava mais de 50 pontos de edição, negou ter oferecido outra conclusão para o caso, como noticiado pelo jornal carioca “O Globo”.

Reportagem publicada no site do jornal neste domingo (21) relata o perito afirmando que seriam apenas “14 pontos de edição, entre 15 e 20 pontos de corte e diversos trechos de ruído”. Teria dito também, de acordo com “O Globo”, não ser possível localizar onde estariam os pontos de edição.

A Folha voltou a falar com Santos para que ele esclarecesse a disparidade entre as declarações.

Por e-mail e por telefone o perito declarou que não mudou sua versão, apenas procurou acrescentar detalhes à análise e foi mal compreendido pela repórter do jornal. “Todos os pontos marcados em meu laudo são edições.” E negou que tenha dito não ser possível localizar os pontos de edição. “Não é verdade.” As informações são da Folha de São Paulo.

Na sexta-feira (19), a Folha contratou Santos para analisar a gravação da conversa. Posteriormente, entrevistou-o para produção de reportagem. Tanto no laudo produzido quanto na entrevista, Santos afirmou que a gravação sofreu 53 edições e que, por isso, certamente teria sua validade contestada em juízo.

Além de Santos, a Folha ouviu o perito Ricardo Molina, que não fez uma análise formal do áudio, mas declarou que “percebem-se mais de 40 interrupções” na gravação, sem poder indicar o que as provoca. “Pode ser um defeito do gravador, pode ser edição, não dá para saber.” Molina afirmou também que a gravação tinha baixa qualidade técnica, o que prejudicaria sua análise, e que seria necessário verificar o aparelho usado na captação.

O jornal “O Estado de S. Paulo” também consultou um especialista. Em reportagem publicada na sexta (19), em seu site, o perito Marcelo Carneiro de Souza afirmou ter “identificado ‘fragmentações’ em 14 momentos na gravação, isto é, pequenos cortes de edição no áudio”.

O mesmo fez o “Jornal Nacional”, da TV Globo. No sábado (20), o programa veiculou reportagem na qual consultou os peritos George Sanguinetti e Nelson Massini. Ambos os profissionais concluem que não houve edição. Horas antes, o presidente Michel Temer abriu seu segundo pronunciamento da semana citando a reportagem da Folha e afirmando que pediria suspensão do inquérito aberto contra ele no STF.

Santos é perito judicial pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e já fez análises para outros órgãos de imprensa.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: