fbpx

PF faz nova busca contra Max da Precisa, agora por suspeita de lavagem

Polícia Federal investiga cobrança de propina em Tribunal de Ética da  OAB-SP - Jornal O Globo

A Polícia Federal cumpre agora de manhã oito mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao empresário Francisco Maximiano, dono da Global Gestão em Saúde e da Precisa Medicamentos, suspeita de fraude na venda de vacinas para o governo federal.

Cerca de 50 policiais federais e servidores da Receita Federal participam da operação.

É a terceira ação policial em duas semanas contra Max.

Segundo a PF, há suspeita de simulação de “operações comerciais e financeiras inexistentes com a finalidade de desviar dinheiro” de contratos com o setor público na área de medicamentos “para empresas de fachada”.

“O intuito dessas operações fictícias era gerar dinheiro em espécie, utilizado como propina a agentes políticos como pagamento em troca de favorecimento na contratação das empresas por estatais. A participação dos executivos, funcionários e sócios das empresas envolvidas nas operações simuladas é investigada.”

Os investigados devem responder pelos crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e operação de instituição financeira sem autorização.

A operação, batizada de Acurácia, é a 14ª fase da Operação Descarte, um desdobramento da Lava Jato que investigou contratos de limpeza urbana em São Paulo.

No caso atual, a investigação decorre das delações do advogado Luiz Carlos Claro e seu filho Gabriel Claro, firmada ainda em 2019. 

Segundo a Folha, os delatores revelaram que a Global simulou, por exemplo, a compra de sucata, como celulares antigos ou quebrados, por preços acima dos valores de mercado, com o objetivo de gerar dinheiro em espécie para o esquema.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: