PF fez busca e apreensão em residências de assessores e ex-assessores de João Maia

Após ter acesso exclusivo ao documento de autorização da 2ª Vara Federal do RN, para mandados de busca e apreensão realizadas ontem em Natal e Parnamirim pelo Ministério Público Federal e a Polícia Federal – a Tribuna do Norte, revelou hoje que a ação da operação batizada Via Trajana, foi motivada por novas informações coletadas em quatro acordos de colaboração premiada de pessoas investigadas na Operação Via Ápia e teve o objetivo de apurar a possível participação e benefício do ex-deputado federal João Maia no esquema que desviou mais de R$ 20 milhões dos cofres públicos.

Segundo a Tribuna do Norte, as buscas foram autorizadas para escritórios de advocacia, empresas e residências de assessores, ex-assessores e familiares de ex-assessores de João Maia, além do próprio apartamento do ex-parlamentar, em Natal. Eis a relação das residências que foram visitadas pela PF em Natal:

Carlos Giann Medeiros Oliveira – Candelária,

Claudia Goncalves Matos Flores – Ribeira,

Dorian Carlos de Melo Freire – Tirol, 

Flávio Giorgi Medeiros Oliveira – Tirol, 

Fernando Rocha Silveira – Candelária, 

Hamlet Gonçalves – Nova Parnamirim

João da Silva Maia – Candelária

José Luis Arantes Horto – Candelária

Paulo Cesar Pereira – Lagoa Nova

Wellington Tavares – Neópolis

ESCRITORIOS E EMPRESAS

EIT Construções S/A – Filial – Lagoa Nova

Minerações e Construções LTDA./Pedreira Potiguar Eireli – Lagoa Nova

No documento a que a TN teve acesso é confirmado pelos delatores que várias empresas agiram em conjunto para vencer irregularmente licitações que definiram as construtoras que realizariam obras em rodovias federais entre o Rio Grande do Norte e a Paraíba, incluindo a obra na BR-101.

Os esquemas teriam a participação de Gledson Maia, que era ex-chefe de Setor de Engenharia do Departamento Nacional de Infraestrutura de Trânsito (Dnit/RN) e que atuava no Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER), e Fernando Rocha Silveira, então chefe do setor de Engenharia do Dnit/RN.

De acordo com a investigação, ambos atuavam no órgão por indicação de João Maia, que era deputado federal do PR, partido que controlava o Ministério dos Transportes à época. Gledson Maia, assim como os outros três delatores, informaram que João Maia era o principal beneficiário do esquema, recebendo até 70% de todo o valor desviado referente a propinas.

Para o Ministério Público, “há fortes indícios de que os investigados estão envolvidos na prática de delitos como organização criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro, de modo que os investigados principais, João Maia, Gledson Maia e Fernando Rocha receberam indevidamente vários pagamentos em espécie, utilizando-se de uma extensa rede de empresas e pessoas físicas para ocultar a origem ilícita dos recursos.

Na decisão, o juiz Eduardo Sousa Dantas argumenta que, se as delações não são suficientes para uma condenação dos réus, elas  “podem, por outro lado, justificar a concessão de medidas cautelares e a realização de diligências probatórias para comprovação das declarações dos colaboradores, em especial quando acompanhadas de elementos materiais de corroboração e diligências prévias para aprofundamento da investigação dos fatos”.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!