fbpx

Polícia Rodoviária Federal encerra bloqueios em vias públicas no RN

Depois de um dia tenso com a rodovia BR 101 bloqueada por 12 horas na altura do Parque Aristófanes Fernandes, em Parnamirim, na Grande Natal, o Rio Grande do Norte encerrou a terça-feira sem nenhuma rodovia bloqueada. As manifestações pró-Bolsonaro fecharam estradas federais em todo o país, muitas delas, lideradas por caminhoneiros. Em todo o Estado, segundo a Polícia Rodoviária Federal, foram registrados dois bloqueios: em Parnamirim e também em Itajá, mas o último foi rapidamente dispersado.
Magnus Nascimento

Em Natal, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) adentraram a noite num protesto em frente do 16° Batalhão de Infantaria Motorizada, na Avenida Hermes da Fonseca, zona Leste. Eles reivindicavam intervenção federal após o presidente não conseguir se reeleger no segundo turno das eleições, ocorrido no último domingo (30). Vestidos com roupas das cores da bandeira do Brasil, desde as 16h os manifestantes se mobilizaram com bandeiras e faixas pedindo “intervenção federal”.

Com a manifestação, o trânsito na Avenida Hermes da Fonseca ficou comprometido no sentido zona Sul/Centro, provocando lentidão, visto que os apoiadores do presidente ocuparam a faixa de ônibus em frente o 16° Batalhão, inclusive com alguns carros estacionados.

Policiais militares e rodoviários e também agentes de trânsito permaneceram no local monitorando o movimento. A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU) orientou os motoristas a utilizarem vias alternativas como as avenidas Romualdo Galvão, Prudente de Morais, rua Jaguarari e São José. No momento do evento, a secretaria informou também que que entre as avenidas Alexandrino de Alencar e Nevaldo Rocha, um acidente com poste deixou o trecho da faixa da direita interditada parcialmente.

Policiais militares e agentes da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU) acompanham o movimento no local. Os manifestantes não preveem hora para encerrar o protesto.

Fora esse evento, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou apenas dois incidentes nas estradas federais. “Chegamos ao fim do dia sem bloqueios. Tivemos dois. Um foi breve, em Itajá, onde algumas pessoas jogaram pneus na via, mas quando a viatura chegou foram embora. A rodovia foi desobstruída e voltou à normalidade. O outro, em Parnamirim, levou mais tempo e os manifestantes foram dispersados pela tropa de Choque”, explicou o inspetor Alexandre Galvão.

O desbloqueio ocorreu pouco antes das 12h. Para a dispersão, os agentes da PRF usaram bombas de gás lacrimogêneo e gás de pimenta contra os manifestantes. No início da manhã, as faixas Parnamirim-Natal já tinham sido liberadas.

A interdição acontecia no Km 104 da BR-101, em Parnamirim, no sentido João Pessoa/Natal desde o fim da noite dessa segunda-feira (31), dia em que até às 20h33 a PRF havia contabilizado 321 pontos de interdições, bloqueios ou manifestações em estradas em vinte Estados do Brasil.

Na manhã de ontem, a PRF informou que todas as atividades administrativas do órgão foram suspensas em nível nacional, a fim de que todo o efetivo fosse colocado em operação nas rodovias do país.

Os apoiadores do presidente não aceitavam o resultado da eleição do domingo (30) e reivindicavam novo pleito. Eles apontam que houve fraude no pleito. Não há nenhuma contestação oficial acerca da lisura do processo eleitoral. Mesmo assim, caminhoneiros que estavam no local disseram que as interdições vão ocorrer ao longo de toda a semana, uma vez que trata-se de uma mobilização nacional.

Em um dos pontos dos bloqueios, eles seguravam uma faixa amarela com a frase: “Queremos eleições limpas com voto auditável”.

À tarde, Jair Bolsonaro falou pela primeira vez após a derrota na eleição de domingo (30). Ele garantiu que seguirá a Constituição e agradeceu aos mais de 58 milhões de eleitores que votaram nele. Sobre as manifestações, defendeu as que foram pacíficas e condenou cerceamento do direito de ir e vir. No entanto, até o fechamento da edição, nem todos os pontos do país foram desmobilizados.

Governo anuncia uso da PM contra obstruções

O Governo do Rio Grande do Norte colocou as forças de segurança do Estado, como as polícias Militar e Civil e o Corpo de Bombeiros, à disposição para dispersar manifestações que possam obstruir vias federais, estaduais ou municipais, conforme autorizou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Superior Tribunal Eleitoral (TSE) Alexandre de Moraes. O anúncio foi feito em coletiva na tarde de terça-feira 1º).

Um efetivo de 100 policiais militares já participou da ação de desobstrução do Km 104 da BR-101, no município de Parnamirim, Região Metropolitana de Natal, em apoio aos agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Desde as 23h da segunda-feira (31), apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) bloquearam a BR-101 em protesto à vitória de Luiz Inácio Lula da Silva, a exemplo de movimentos que acontecem em todo o País. A via só foi liberada depois que tropas de choque utilizaram bombas de efeito moral contra os manifestantes.

De acordo com o titular da Segurança Pública estadual (Sesed), coronel Francisco Araújo, os policiais estão de prontidão para cumprir as determinações judiciais. “O governo já empregou os efetivos. Isso já ocorreu lá na BR-101 junto com a PRF. Se houver outros movimentos em outros locais, a Polícia Militar vai apoiar junto à PRF, no caso da BR, ou a superintendência de trânsito urbano se for dentro de Natal. Todo o efetivo está em condições de apoiar”, detalha Francisco Araújo, secretário de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed).

O Governo do Estado montou um Gabinete de Gestão de Crise para acompanhar as movimentações. O superintendente regional da PRF no Rio Grande do Norte, inspetor Luiz Pinheiro, diz que a ideia é trabalhar de forma integrada para evitar que as rodovias sejam novamente interditadas e “cumprir fielmente os termos da decisão” do ministro Alexandre de Moraes. “O trabalho agora é de manutenção do espaço conquistado, contenção do pessoal que ainda permanece com o ânimo de obstruir as rodovias”, diz.

E acrescenta: “A PRF não vai abandonar o ponto enquanto houver resistência, enquanto houver manifestação de bloquear a via”. Pinheiro também detalha que os apoiadores que se recusarem a liberar as vias poderão ser presos por desobediência. “Caso tenha reincidência na tentativa de bloqueio, tem o tipo penal de desobediência que pode ser, em razão disso, ser feita a prisão dos envolvidos e a condução até a superintendência da Polícia Federal”, explica.

O secretário Francisco Araújo diz que não há um número específico de policiais mobilizados para ação, mas que “todo o efetivo” das forças de segurança estão à disposição. “Estamos de prontidão para agir, trabalhando de forma integrada. O planejamento está pronto. Estamos juntos com o efetivo ostensivo da PM normal e a parte ostensiva de trânsito”, pontua.

*Tribuna do NOrte

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: