Por uso de drogas, príncipe Harry pode ter visto americano negado

O visto do príncipe Harry para os EUA está no centro de um processo judicial após revelações sobre uso de drogas

O pedido de visto do Príncipe Harry para os EUA será julgado nessa sexta-feira, 23 de fevereiro, por advogados em um caso decorrente da sua admissão de uso de drogas.

Cocaína, maconha e cogumelos

Advogados da Heritage Foundation, um think tank conservador, enfrentarão o Departamento de Segurança Interna (DHS), argumentando que o pedido deveria ser tornado público.

Eles argumentam que o uso anterior de drogas do Duque deveria tê-lo desqualificado de entrar nos Estados Unidos sob a lei federal e que a liberação do seu pedido é de “imenso interesse público”.

Em seu livro de memórias best-seller, Spare, o duque de Sussex gerou polêmica quando admitiu consumir cocaína, maconha e cogumelos psicodélicos.

Foram levantadas questões sobre se o duque mentiu em sua candidatura ou se recebeu tratamento favorável das autoridades devido ao seu status de destaque.

A fundação buscou “todos os registros do arquivo de registro de estrangeiro do Príncipe Harry”, incluindo “quaisquer pedidos de benefícios de imigração” e “todos os registros relacionados a quaisquer pedidos de isenção do Príncipe Harry”.

Num processo judicial, a Heritage Foundation argumentou: “[O caso] surge principalmente porque Sua Alteza Real [Sua Alteza Real] voluntariamente – e com imenso lucro – admitiu por escrito os elementos de uma série de violações de substâncias controladas, chegando ao ponto de se gabar e de encorajar o uso de drogas ilegais.”

“O duque de Sussex fê-lo apesar de ser amplamente conhecido que tais admissões podem ter consequências adversas na imigração para não-cidadãos e apesar de empregar consultores jurídicos proeminentes em ambos os lados do Atlântico.”

O duque não deverá comparecer à audiência, que ouvirá argumentos de ambos os lados.

A administração Biden já apoiou o duque a manter os seus registros ocultos ao público.

O Departamento de Segurança Interna argumentou no processo judicial que “não pode confirmar ou negar se existem quaisquer outros registros que o Heritage procura porque o mero reconhecimento desses registros constituiria uma invasão injustificada da privacidade do Príncipe Harry”

“Os registros são particularmente sensíveis porque divulgá-los, mesmo que parcialmente, revelaria o status do Príncipe Harry nos Estados Unidos, que o Príncipe Harry não divulgou.”

“Os tribunais sustentam consistentemente que o visto ou o status de imigração de uma pessoa são informações privadas e pessoais isentas de divulgação”, afirmam os documentos judiciais.

Cidadania americana não é uma prioridade

O novo processo surge no momento em que o príncipe Harry admite que “considerou” tornar-se cidadão americano.

Em entrevista ao Good Morning America, o duque disse que “não tinha ideia” do que o impedia de fazer isso.

Ele acrescentou: “O pensamento passou pela minha cabeça, mas não é uma grande prioridade no momento”.

Agora, ele corre o risco de ter a sua cidadania negada, uma vez que as drogas que admitiu tomar são proibidas ou sob controlo rigoroso nos Estados Unidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.