Quase metade dos analfabetos no Rio Grande do Norte têm 60 anos ou mais

*De Fato

O Rio Grande do Norte tem 372 mil pessoas analfabetas. Desse total, 184 mil têm idade de 60 anos ou mais, o que representa quase metade dos analfabetos do estado. A concentração de analfabetos na faixa mais idosa da população é uma característica nacional. Dos 11 milhões de brasileiros que não sabem ler nem escrever, 6 milhões têm pelo menos 60 anos de idade.

Entre 2016 e 2019, o percentual de analfabetos no Rio Grande do Norte diminuiu 5,6 pontos percentuais entre as pessoas acima de 60 anos, chegando a 33% do total da população nessa faixa. Mas nem sempre essa redução é resultado de uma política pública. “Os analfabetos continuam concentrados entre os mais velhos e mudanças na taxa de analfabetismo para esse grupo se dão, em grande parte, devido às questões demográficas como, por exemplo, o envelhecimento da população alfabetizada”, conforme publicação informativa da PNAD Contínua Educação 2019.

No recorte por cor ou raça, o analfabetismo do RN diminuiu entre pessoas brancas com mais de 60 anos de idade. Em 2016, a taxa era de 33,5% e passou para 23,7% em 2019. A taxa entre pessoas pretas e pardas manteve-se estável em 39% nesse período.

Educação infantil: RN tem terceira maior taxa de escolarização do Brasil

A taxa de escolarização é o percentual de estudantes de determinada faixa etária no total de pessoas dessa mesma faixa etária. O Rio Grande do Norte tem a terceira maior taxa de escolarização das crianças de 0 a 5 anos entre as unidades da federação: 59,4% das crianças nessa faixa etária frequentavam escola ou creche em 2019. O Estado é o único do Nordeste a apresentar taxa acima da média nacional, que é de 55,6%. Essa taxa de 59,4% também significa que a proporção de crianças potiguares de 0 a 5 anos que frequentam escola é menor apenas que as dos estados de São Paulo (65,1%) e Santa Catarina (67,1%).

Anos de estudo da população adulta: RN abaixo da média nacional

A taxa de escolaridade da população adulta representa um parâmetro internacional para avaliar o acesso à educação em determinado território. “Idealmente as pessoas de 25 anos ou mais de idade deveriam ter atingido, no mínimo, o nível de escolaridade correspondente ao ensino médio completo, ou seja, média de 11 anos de estudo”, (IBGE, 2015). No Rio Grande do Norte, o número médio de anos de estudo da população dessa faixa etária é 8,5 anos; no Brasil, 9,4 anos. Nesse sentido, o estado norte-rio-grandense encontra-se abaixo da média nacional, que também é inferior ao ideal de 11 anos, que se verificou apenas no Distrito Federal, com média de anos 11,5 anos.

Quando consideramos a população com ensino médio completo ou equivalente, o Rio Grande do Norte, de forma semelhante, tem média inferior à nacional. No RN, 26,9% da população de 25 anos ou mais completaram esse nível de instrução; no Brasil, 31,4%. O índice potiguar está entre os mais baixos do país, à frente apenas de Paraíba (24%), Alagoas (23,2%) e Piauí (22,9%). No município de Natal, o índice é mais elevado, 32,5%, mesmo assim, representa um dos menores entre as capitais. Somente Campo Grande (32,4%), Rio Branco (31,6%) e Maceió (30,6%) apresentaram níveis abaixo da capital potiguar.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: