Redação do Enem tem como tema manipulação de usuários na internet

O tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano é “manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet”, segundo comunicado divulgado nas redes sociais do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC) responsável pelo exame.

O Inep ainda não divulgou os textos de apoio usados para embasar a proposta de redação, mas o tema pode estar relacionado com a propagação de fake news na internet ou com episódios de uso indevido de dados de usuários de redes sociais para influenciar processos eleitorais, como o ocorrido nas eleições americanas de 2016 com a ação da empresa Cambridge Analytica. 

Os candidatos do Enem terão de produzir um texto dissertativo-argumentativo de no máximo 30 linhas sobre a temática. Redações que ferirem os direitos humanos perderão 200 pontos – até o ano passado, a conduta dava nota zero ao aluno. Fabiana Cambricoli e Pepita Ortega, O Estado de S.Paulo

Professores ouvidos antes da prova pelo Estado já indicavam que um dos temas prováveis seria a confiabilidade de dados e informações na internet.

Para Simone Motta, coordenadora do grupo Etapa, o tema deste ano se manteve fiel a proposta de abordar assuntos de caráter nacional, com característica social e com uma problemática. “Nessa perspectiva, foi um tema excelente. Esse tema estava no radar”, diz.

Elizabeth Massaransuba, coordenadora do curso e colégio Objetivo, diz que os alunos que se prepararam para a prova ao longo do ano esperavam por um tema como este. “Todos os alunos sabiam e já leram sobre o assunto. A redação está mais fácil esse ano em relação ao ano passado por conta da proximidade do aluno com o tema”, diz. 

A professora de redação do Descomplica Carolina Achutti diz que a proposta deste ano inova em relação aos anos anteriores por ter uma caráter político. “Nas últimas edições, a redação tratava de aspectos sociais, com um olhar para as minorias”, diz. 

Como o Inep divulgou apenas o tema da redação, sem a coletânea de textos, ainda não é possível saber qual é a proposta específica da prova. Para Elizabeth, são várias as possibilidades. “Existe a questão do vazamento de informações de 70 milhões de usuários do Facebook, que teve como consequência o fechamento da empresa Cambridge Analítica. Mas essa é só uma possibilidade”. 

Giberto Alvarez, diretor executivo do cursinho da Poli, afirma que o tema pode ter vários recortes, mas tem como ponto principal a relação entre o ser humano concreto e o ser humano virtual. Ele chama atenção para as palavras comportamento e controle, presentes na frase divulgada pelo Inep. 

Dificuldade. Para as coordenadoras, o fato de o tema estar muito presente no cotidiano pode também prejudicar o aluno. “Como o candidato tem muito repertório sobre o assunto, pode querer colocar no texto muita informação e deixar a desejar na análise crítica, que é uma exigência da redação”

“O assunto é a manipulação de dados, como o aluno vai conduzir isso depende muito da coletânea e por isso é preciso ler os textos com muita atenção. Não pode fugir da coletânea que foi passada”, diz Simone. 

O professor de redação do Anglo Anibal Telles diz que o assunto pode ser abordado pelo viés político, ou pelo viés de consumo, e reforça que “a leitura da coletânea é imprencisdível para não tangenciar a discussão”. Telles também indica que o aluno deve estar atento à palavra “manipulação”. “Não existe aspecto positivo de manipulação. Toda manipulação é nociva, porque impede a escolha, a reflexão”.

Exame. A prova do Enem foi iniciada às 13h30 deste domingo, 4, horário de Brasília. Cerca de 5,5 milhões se inscreveram no exame, que é porta de acesso às principais universidades brasileiras. Eles terão 5h50 para resolver o exame.

Além da redação, a prova deste domingo terá 90 questões de linguagem e ciências humanas. No próximo domingo, 11, segundo dia do teste, os alunos terão de resolver questões de ciências da natureza e matemática.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: