Rogério Marinho deve se licenciar do Senado

O senador Rogério Marinho vai fazer um agrado ao seu suplente e super-empresário Flávio Azevedo (PL). O líder da oposição no Senado vai se licenciar do cargo por dois ou três meses para cuidar das campanhas eleitorais de interesse do PL no RN. A informação foi confirmada à coluna por pessoa próxima ao empresário. “Flávio assume após as convenções partidárias”, afirmou a fonte.

Esperado
A decisão de Álvaro Dias em apoiar a pré-candidatura do deputado Paulinho Freire à Prefeitura de Natal não foi surpresa para articuladores ligados à pré-candidatura a prefeita da também deputada Natália Bonavides. Segundo contou à coluna um desses aliados, a ordem agora é “monitorar o que vai acontecer” em termos de pesquisa.

Indefinido
Neste caso, do ponto de vista do eleitorado, por enquanto, articuladores alinhados a Natália não acreditam “em grandes alterações”. No entanto, entendem que Paulinho deverá, sim, subir nas pesquisas quando o nome dele for atrelado ao de Álvaro pelos eleitores. “E acho que tudo pode embolar, acho que tudo pode acontecer”, disse um deles, que acredita que quando a campanha começar o favoritismo de Carlos Eduardo deve reduzir. “O segundo turno está indefinido, na minha avalição”, afirmou.

Observando
Falando em pesquisa, engana-se quem pensa que o Governo Fátima Bezerra está apenas assistindo inerte aos números de desaprovação que vêm sendo compartilhados. A gestão não só tem observado atenta como tem encomendado e recebido sondagens sobre avaliação de Governo. E integrantes da gestão garantem que os números dos levantamentos internos não batem com os divulgados pela última pesquisa Consult divulgado pela Tribuna do Norte, por exemplo.

Guerra
A oposição na Assembleia Legislativa vem intensificando a pressão sobre o Governo para o pagamento das emendas parlamentares prometidas. Esta semana, o deputado Tomba Farias disparou as críticas. “Não podemos mais passar pelo que estamos passando”, reclamou em plenário. Teve resposta do líder da governadora Fátima Bezerra, o deputado Francisco, que lembrou ao colega que o Executivo apresentou, sim, proposta recente aos deputados para pagamento das emendas, “com previsão para liberação de uma parcela agora em maio e outra parte em junho”.

Inédito
Aliás, uma fonte do alto escalão governista, em conversa com a coluna, disparou: “Não conheço nenhum governo que tenha calendário de pagamento de emendas”. E lembrou que não há “promessa do Governo” com relação ao pagamento das emendas em datas específicas, como sugere a oposição. O que há é um “compromisso” colocado pelo líder na Casa, deputado Francisco, que, por sua vez, já apresentou proposta de pagamento.

Cobertura no Sul
A jornalista Maria Carolina Trevisan, especialista na cobertura de direitos humanos em meio a grandes desastres, gravou um vídeo para as redes sociais em que pede a atenção da imprensa na divulgação da tragédia que acontece no Rio Grande do Sul. As imagens foram divulgadas no perfil da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), ressaltando a responsabilidade que os jornalistas precisam ter nesse momento. Trevisan afirma que as informações devem ter credibilidade, cuidado na exposição das pessoas e orientações sobre os serviços de ajuda.

É política, sim!
É impressionante a narrativa criada pela extrema-direita brasileira de que “não se pode politizar” a tragédia no Sul. Ora, a questão é sobretudo política! Na verdade, a falta dela! E revela o quanto os políticos extremistas são responsáveis diretos pelo tamanho do desastre naquele Estado. Para começar, é preciso lembrar que o ex-presidente Jair Bolsonaro quase zerou a destinação de recursos para prevenção e enfrentamento de desastres naturais no Brasil em 2022! O atual governo recebeu o orçamento 2023 sem verbas para eventos climáticos extremos como o do RS.

Irresponsáveis
Além de Bolsonaro ter secado o dinheiro para esse destino, os parlamentares bolsonaristas daquela região não enviaram emendas para esse tipo de situação, apesar de todos os alertas feitos nos últimos anos de que iria acontecer o que estamos vendo! Isto porque são negacionistas climáticos, agindo diretamente para que a tragédia esteja sendo muito maior!E a responsabilidade desses ‘políticos’ não para aí! São eles que divulgam mentiras nas redes sociais sobre questões climáticas e ambientais! Não se trata de opinião! É um fato! Por isso que a imprensa bolsonarista aqui e acolá está repetindo como um mantra que “não se deve politizar” as enchentes.

Por Daniela Freire, Novo Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.