Semidistritão ganha força antes de votação no plenário da Câmara

O semidistritão ganhou corpo na véspera da votação da reforma política na Câmara, na avaliação de parlamentares que estão na linha de frente das discussões sobre as mudanças que valeriam já para as eleições de 2018. No Palácio do Planalto, o entendimento é que a proposta pode passar, “se bem trabalhada”, segundo um assessor do presidente Michel Temer.

A ideia surgiu na semana passada, numa tentativa de amenizar a rejeição ao distritão. Por este último modelo, são eleitos os deputados e vereadores que recebem a maior quantidade de votos, sem levar em conta os partidos e as coligações formadas, o que favorece a reeleição de parlamentares e a escolha de quem tem mais visibilidade e dinheiro. O semidistritão manteria a eleição dos mais votados, mas abriria a possibilidade do voto na legenda, com uma posterior distribuição dos votos entre os candidatos do partido.

Mesmo assim, a reforma política que vai sair da votação em plenário segue em aberto. No sábado, num encontro mais uma vez fora das agendas oficiais, Temer, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, se reuniram para tratar da reforma política, mais especificamente sobre possibilidades de implantação do parlamentarismo como sistema de governo.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: