‘Tem que deixar de ser um país de maricas’, diz Bolsonaro sobre Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro deixa o Ministério da Defesa, após almoço Foto: Jorge William/Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que o Brasil precisa deixar de ser um “país de maricas”. A declaração foi feita enquanto Bolsonaro comentava a Covid-19, doença que matou mais de 162 mil brasileiros. O presidente afirmou que “tudo agora é pandemia” e que “tem que acabar esse negócio”. Ele disse lamentar os mortos, mas ressaltou que “todos nós vamos morrer um dia”.

 — Tudo agora é pandemia, tem que acabar com esse negócio. Lamento os mortos, lamento. Todos nós vamos morrer um dia, aqui todo mundo vai morrer. Não adianta fugir disso, fugir da realidade. Tem que deixar de ser um país de maricas. Olha que prato cheio para imprensa. Prato cheio para a urubuzada que está ali atrás. Temos que enfrentar (de) peito aberto, lutar. Que geração é essa nossa? A geração minha, do Milton (Ribeiro, ministro da Educação), (é) diferente, 60 anos de idade. A geração hoje em dia é toddynho, nutella, zap. É uma realidade — disse Bolsonaro, durante evento no Palácio do Planalto.

A cerimônia era sobre a retomada do setor de turismo. Bolsonaro disse que o setor foi “na lona” com a pandemia, mas disse que a doença foi “superdimensionada”. Em março, o presidente disse que o coronavírus não mataria mais de 800 pessoas no Brasil.

— Vocês foram na lona nessa pandemia. Que foi superdimensionada. A manchete amanhã: “ah, não tem carinho, não tem sentimento com quem morreu…”. Tenho sentimento com todos que morreram. Mas (foi) superdimensionado.

O presidente também minimizou a possibilidade de uma “segunda onda” do coronavírus, como tem ocorrido em alguns países, dizendo que “tem que enfrentar”:

— E agora já começam a enfrentar o povo brasileiro com uma segunda onda. Tem que enfrentar, pô, é a vida. Tem que enfrentar.

‘Há homofobia nessa fala’

Na avaliação do advogado Paulo Iotti, um dos autores da ação no STF que resultou na criminalização da homofobia, a fala de Bolsonaro é homofóbica porque incita o preconceito contra homossexuais.

— O termo “maricas” remete a covardia, mas notoriamente porque remete a homens gays, como supostamente “menos homens” que homens heterossexuais. Então, há homofobia nessa fala sim.

Segundo ele, se houver denúncia, o Judiciário discutirá se ele teve “dolo” de ser homofóbico (ou seja, a intenção).

— Homotransfobia foi considerada racismo, e em geral se exige “dolo direto”, que seria a intenção propriamente dita, mas eu entendo, com precedente do STJ, que o racismo admite o chamado “dolo eventual”, que é o “assumir o risco” de produzir o resultado, como suficiente para caracterizar o crime (crime de racismo homofóbico, no caso). Assumir o risco não é um querer propriamente dito, mas não se importar com a produção desse resultado (incitar a homofobia, no caso) — explica.

O advogado afirma ainda que a fala pode gerar “dano moral coletivo”, gerando uma indenização a ser revertida em favor de políticas públicas contra a homofobia.

— Isso porque o Direito Civil afirma que atos imprudentes, como falas imprudentes, configuram atos ilícitos indenizáveis — explica.

Toni Reis, Diretor-Presidente da Aliança Nacional LGBTI+, afirma que ser gay não tem “absolutamente nada a ver com coragem”.

— Temos que acreditar na racionalidade (e por isso adotar práticas para se proteger do vírus, como distanciamento social). Não é uma questão de feminilidade, de coragem. Temos que deixar de ter essa masculidade tóxica — diz. — E o presidente é reincidente. Isso vai entrar para a coleção de grandes frases ofensivas dele.

Já Marcelle Cristiane Esteves, vice-Presidente do Grupo Arco Íris de Cidadania LGBTI, diz que essa é uma reprodução do pensamento de uma sociedade arcaica.

— Quando o presidente, a pessoa que ocupa um cargo máximo no país, reverbera esse linguajar, ele está dizendo para todas as famílias: ou vocês são fortes ou são maricas e não são absolutamente nada. É homofóbico e carregado de preconceito. Tanto é e ele sabe que é que logo ele se dá conta e faz uma observação sobre a imprensa. Isso é uma falta de respeito.

Ironia para candidatura de centro

Durante a cerimônia, Bolsonaro também ironizou a tentativa de criação de uma candidatura de centro. Ele rebateu quem disse combater o “ódio” e afirmou que isso é “coisa de marica”. Nesta semana, o ex-ministro Sergio Moro defendeu, em entrevista ao GLOBO, a construção de “alternativas não polarizadas” para as eleições de 2022.

— Nós temos que buscar mudanças, pô. Não teremos outra oportunidade. Aí vem uma turminha aí falar de “ah, queremos um centro, nem ódio pra lá, nem ódio pra cá”. Ódio é coisa de marica, pô. Meu tempo de bullying na escola era porra. Agora, se chamar o cara de gordo é bullying.

Em outro momento, Bolsonaro disse que a sua cadeira de presidente está à disposição e comentou:

— Não sou Super-Homem, mas aquele biboca tem kriptonita ou um formigueiro. E eu vejo pessoas articulando para chegar lá não por seus méritos, mas criticando, falando mal, falando besteira o tempo todo, mentindo, provocando, caluniando, perseguindo os familiares o tempo todo. Não querem chegar pelos seus méritos, mas sim para derrubar quem está lá. Alguém acha que tenho algum tesão para estar naquela cadeira está completamente equivocado. Preciso de ajuda para arrumar esse Brasil.

À noite, em transmissão ao vivo pela internet, Bolsonaro voltou a falar sobre a possibilidade de aprovação de uma vacina contra a Covid-19, sem citar nenhuma especificamente, mas criticou “alguns populistas”.

— A gente pede a Deus que esse vírus aí seja encontrado uma vacina eficaz, e não como alguns populistas querem uma vacina a toque de caixa […] Porque quem não tomar, se a vacina for eficaz e segura, está colocando a vida dele, e não a vida de outros. E deixar bem claro, né? Quem não toma vacina não vai transmitir o vírus para quem toma. Entendeu o recado aí? Entendeu, né? Não é você não, estou me referindo a sabe quem é, né? — declarou.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reagiu às declarações de Bolsonaro. Além da fala sobre “maricas”, Maia criticou a hipótese levantada pelo presidente do uso de “pólvora” para defender a Amazônia contra possíveis sanções dos Estados Unidos.

“Entre pólvora, maricas e o risco à hiperinflação, temos mais de 160 mil mortos no país, uma economia frágil e um estado às escuras. Em nome da Câmara dos Deputados, reafirmo o nosso compromisso com a vacina, a independência dos órgãos reguladores e com a responsabilidade fiscal”, escreveu Maia em suas redes sociais. Em outra postagem, ele acrescentou: “E a todos os parentes e amigos de vítimas da covid-19 a nossa solidariedade”.

Mais tarde, em transmissão ao vivo pela internet, o presidente voltou a falar sobre o enfrentamento à Covid-19 e a defender o que chama de “isolamento vertical”. Para Bolsonaro, a melhor maneira de enfrentar a doença é “estar bem de saúde”.

— Agora, quem tinha problemas, obesidade, comorbidade, idade, aí lamentavelmente essas pessoas tiveram muita dificuldade e algumas foram a óbito, o que nós lamentamos, mas é a vida, é a realidade _ declarou.

O Globo

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: