Temer diz que áudio foi adulterado e pede arquivamento de investigação

Presidente Michel Temer se pronunciou após denúncias de que teria dado aval para comprar o silêncio de Eduardo Cunha em conversas com o empresário Joesley Batista, do Grupo JBS Foto: Andre Coelho / O Globo

O presidente Michel Temer fez neste sábado um pronunciamento afirmando que o áudio gravado pelo dono da JBS, Joesley Batista, foi adulterado, teve mais de 50 edições, e pediu a suspensão do processo que foi aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigá-lo. Temer disse que permanece na Presidência e negou que tenha cometido o crime de corrupção passiva, pois os pleitos do empresário não foram atendidos. Chamou Joesley de “fanfarrão” e afirmou que não acreditou nas afirmações do empresário de que havia cooptado juízes e promotores.

– O que ele fala em seu depoimento não está no áudio. E o que está no áudio demonstra que ele estava insatisfeito com o meu governo. Essa é a prova cabal de que meu governo não estava aberto a ele. Fica patente o fracasso de sua ação. O CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) não decidiu a questão solicitada por ele. O governo não atendeu a seus pedidos. Não se sustenta, então, a acusação pífia de corrupção passiva – disse Temer.

Este foi o segundo pronunciamento do presidente em menos de três dias. As informações são de O Globo.

No pronunciamento, Temer também fez duros ataques a Joesley:

– O autor do grampo está livre e solto, passenado pelas ruas de Nova York. O Brasil que já tinha saído da mais grave crise econômica vive agora dias de incerteza. Ele não passou nenhum dia na cadeia, não foi preso, julgado e punido. Pelo jeito não será, cometeu o crime perfeito. Graças a essa gravação fradulenta, especulou contra a moeda nacional. A notícia foi vazada por gente ligada ao grupo do empresário, que antes de entregar a gravação comprou 1 bilhão de dólares porque sabia que isso ia provocar o caos no câmbio – afirmou Temer.

O presidente levantou dúvidas sobre a gravação, citando perícia contratada pelo jornal Folha de S. Paulo:

– Li notícia no jornal “Folha de São Paulo” de que a perícia constatou que houve edição no áudio de minha conversa com o senhor Joesley Batista. Essa gravação clandestina foi manipulada e adulterada com objetivos nitidamente subterrâneos.

Nesta sexta-feira, a defesa do presidente já havia afirmado que o governo tem “informações seguras” de que o áudio da conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista foi adulterado. A análise, encomendada pela Folha de S. Paulo, é do perito judicial Ricardo Caires dos Santos. Segundo Caires, haveria indícios claros de manipulação, “mas não dá para falar com que propósito”. De acordo com a reportagem, porém, em um dos trechos mais polêmicos, aquele em que Temer dá seu aval a uma mesada de Joesley ao ex-deputado Eduardo Cunha, o perito conclui que não houve edição.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: