Temer quer punir quer ‘infiéis’ com expulsão

Zveiter

Em uma operação conjunta da base do governo Michel Temer, três dos maiores partidos da Câmara vão tentar aprovar uma medida que pode obrigar seus deputados a votarem contra a denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente por corrupção passiva com base na delação da JBS.

PMDB, PP e PR marcaram reuniões para esta quarta-feira (12) para definir o chamado “fechamento de questão” a favor de Temer, que determina que todos os deputados devem acompanhar a orientação do partido na votação. Quem se posicionar contra sua legenda pode, em tese, sofrer punições que chegam à expulsão da sigla.

Juntas, essas três legendas têm 148 deputados. Temer precisa do apoio de 172 parlamentares no plenário para que a denúncia seja rejeitada, evitando a abertura de um processo contra o presidente no Supremo Tribunal Federal (STF), o que o afastaria do cargo por até 180 dias. As informações são da Agência Estado.

Apesar do movimento em bloco, os partidos podem enfrentar dificuldades para aprovar o “fechamento de questão” a favor de Temer, uma vez que algumas dessas bancadas estão rachadas. O PR, por exemplo, teve que trocar quatro de seus integrantes na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que tendem a votar contra Temer. O fechamento de questão pode aprofundar esse racha no partido. No PP, líder do partido, Arthur Lira (PP-AL) disse que, dos 47 deputados da sigla, apenas dois ainda não decidiram se vão votar a favor de Temer. O placar da denúncia do “Estadão”, contudo, entrou em contato com os deputados do partido. Dos 47, três disseram que são favoráveis à denúncia: Jorge Boeira (SC), Afonso Hamm (RS) e Espiridão Amin (SC). Outros 24 não quiseram se posicionar e sete se disseram indecisos.

PMDB. Em almoço nessa terça-feira (11), a bancada do PMDB na Câmara decidiu fechar questão para votar a favor do presidente. O encontro dos peemedebistas aconteceu na residência do vice-presidente da Câmara, deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG). A proposta de fechar questão sobre o tema foi feita pelo líder da bancada, deputado Baleia Rossi (SP). Após a decisão, o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), convocou para esta quarta-feira (12) pela manhã uma reunião da Executiva Nacional do partido para avalizar essa decisão.

Caso a questão seja referendada pelos dirigentes do PMDB, um deputado que votar contra Temer em plenário poderá ser punido até mesmo com a expulsão da legenda. “Há o entendimento majoritário na bancada de que é preciso apoiar Temer. Foi uma decisão natural”, disse o líder do partido na Câmara, Baleia Rossi (SP).

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: