fbpx

Vacina da Janssen atrasa e não chegará amanhã ao Brasil

Ministério da Saúde informou que a chegada das doses da Janssen ao Brasil não acontecerá amanhã  - KAMIL KRZACZYNSKI / AFP

O lote com 3 milhões de doses da vacina da Janssen contra a covid-19 não chegará ao Brasil amanhã, conforme previsto anteriormente pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. A informação foi confirmada ao UOL pelo ministério.

Em nota, a pasta informou que “aguarda confirmação da data por parte do laboratório, mas a expectativa é de que as doses cheguem ainda esta semana ao país em três remessas”.

Procurada, a Janssen informou que segue dialogando com o Ministério da Saúde e outras autoridades locais “com o objetivo de disponibilizar a vacina no país o quanto antes”, sem especificar datas.

No sábado (12), em entrevista coletiva, Queiroga havia afirmado que a expectativa é de que os imunizantes chegassem amanhã. A liberação foi feita após a farmacêutica Johnson & Johnson obter autorização do FDA, órgão regulador norte-americano.

“Temos um ponto positivo de que essas doses têm um desconto de 25% ao valor anteriormente acertado e isso ocasiona numa economia de cerca de R$ 480 milhões. Outro ponto é que o pagamento só ocorrerá em relação às doses que efetivamente forem aplicadas”, disse ele na ocasião.

Os imunizantes devem chegar perto do prazo de validade, estipulado inicialmente para até o dia 27 de junho. Queiroga observou que esse prazo foi prorrogado pela FDA para 8 de agosto, mas a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ainda precisa verificar a ampliação da validade.

Hoje, o gerente-geral de medicamentos da agência, Gustavo Mendes, disse que a Anvisa “vê com otimismo” a extensão do prazo de validade dos imunizantes.

“[A Anvisa] vê com otimismo a extensão. Ter a aprovação do FDA ajuda a gente a poupar muitos esforços, claro, vamos considerar as questões específicas do nosso país, mas ter o racional [da FDA] é bastante significativo”, afirmou Mendes em entrevista para a rádio CBN.

O imunizante recebeu autorização de uso no país pela Anvisa no dia 31 de janeiro e foi comprada pelo Ministério da Saúde no mês de março. Antes da antecipação para junho, o envio das vacinas estava previsto inicialmente para o último trimestre deste ano, a partir do mês de outubro.

A vacina é a primeira aprovada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) com o regime de imunização de apenas uma dose. Na coletiva do último sábado, Queiroga destacou essa característica da vacina como uma vantagem.

“São 3 milhões de doses, independente do prazo de validade curto, serão 3 milhões de pessoas vacinadas”, observou ele.

UOL

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: