Vereadores de Natal estão de olho na janela eleitoral para a troca de partido

Nos planos de se candidatarem à reeleição, está a mudança partidária de alguns vereadores, seja para aumentar as chances dentro da composição das nominatas, seja para reforçar a base dos seus candidatos a prefeito. Eles poderão fazer isso sem risco de perder os mandatos no período conhecido como “janela partidária”, que começa no dia 7 de março e se estende até o dia 5 de abril. Em Natal, essa movimentação deve redesenhar a composição das bancadas na Câmara Municipal.

A começar pelo União Brasil, partido que nasceu da junção entre o PSL e Democratas em 2022 e que na Câmara de Natal, sob a liderança do seu ex-presidente, hoje deputado federal Paulinho Freire, conta com quatro parlamentares e vai receber ainda a vereadora Nina Souza (PDT). “Devo ir, provavelmente, para o União Brasil, um partido que é dirigido no estado por uma pessoa séria, o ex senador José Agripino, que dialoga e que possui em sua essência uma alinhamento de centro direita”, declarou a parlamentar.

Nina Souza (PDT): “Devo ir, provavelmente, para o União Brasil” / Foto: Elpídio Junior

Ela amplia a representação do União, partido onde estão Camila Araújo, Felipe Alves, Robson Carvalho e Tércio Tinoco que, apesar de confirmar que permanece na legenda, deixou em aberto a possibilidade de mudança.

“Por enquanto, minha decisão é de permanecer no meu atual partido, o União Brasil. Mas a política é muito dinâmica, e ainda teremos muito tempo para definir o melhor caminho a seguir”, disse Tinoco.

O PDT, que ficará sem o mandato de Nina Souza, também pode perder o que lhe resta, de Dickson Júnior, que também está alinhado com o grupo político liderado pelo senador Rogério Marinho e por Paulinho Freire.

“Estamos avaliando nosso projeto para as eleições 2024 e, diante disso, devo tomar minha decisão em acordo com o que analisarmos ser melhor pra alcançarmos nossos objetivos. Devo ter reunião com eles nos próximos dias”, revelou Dickson.

Como se vê, a possível candidatura do deputado Paulinho Freire à Prefeitura do Natal tem um peso grande na decisão de parte dos vereadores. Caso haja desistência, os planos podem mudar em relação a legenda, reorganizando nominatas para que se acomodem onde as chances forem maiores.

Mas é possível manter apoio em partidos aliados. O presidente da Casa, vereador Eriko Jácome (MDB), por exemplo, vai apoiar Paulinho, sem estar no União. Ele diz que, com a conjuntura política das eleições de 2024 e após diálogo com todo o diretório do MDB, deverá deixar o partido do vice-governador Walter Alves para se unir ao Partido Progressista (PP).

Eriko Jácome (MDB): “O PP ofereceu liberdade na majoritária” / Foto: Veronica Macedo

“O PP ofereceu liberdade de apoio à candidatura para prefeito de Natal e não é segredo que pretendemos caminhar junto com a candidatura de Paulinho Freire. Pela liberdade oferecida, é provável que me junte à sigla do PP, um partido forte em nível nacional, estadual e que promete fazer história no âmbito municipal com um grupo seleto e comprometido”, declarou.

Este acordo já foi alinhado com o presidente estadual do PP, deputado federal João Maia, inclusive na formação da nominata, que já está composta há meses, segundo Eriko. Atualmente o PP não conta com mandatos na Câmara.

Mesmo sem Eriko, o MDB não fica sem representatividade. A vereadora Ana Paula, hoje no Solidariedade, está de saída para a legenda, o que não significa que sua candidatura à reeleição esteja confirmada, podendo ser lançada a do seu esposo e ex-vereador, Júlio Protásio, que passou a presidir o diretório municipal do MDB.

Candidaturas majoritárias influenciam nas decisões

Outras candidaturas majoritárias também influenciam nas mudanças. O vereador Luciano Nascimento (PTB) decidiu acompanhar o projeto político do ex-prefeito Carlos Eduardo Alves (PSD) à Prefeitura. “Estou saindo do PTB. Indo para o PSD. Estou com o ex-prefeito Carlos Eduardo”, disse ele.

O PSD passa a ter, pelo menos, dois vereadores contando com Preto Aquino. É a mesma quantidade que elegeu em 2020, mas que tinha perdido o mandato da vereadora Camila Araújo, que migrou para o União.

Também seguindo o projeto do seu candidato à Prefeitura, Kleber Fernandes (PSDB) vai seguir as orientações do prefeito Álvaro Dias (Republicanos), que vai encerrar seu segundo mandato e indicar um nome para a campanha. “Sim, eu irei para o Republicanos, partido do prefeito Álvaro Dias”, afirmou o parlamentar.

O PSDB, que Kleber deixa, cresceu desde a última eleição. De três vereadores que elegeu, subiu para oito e até o momento, a expectativa é de que fique com sete até que novas mudanças aconteçam. Apesar das especulações, o vereador Herberth Sena negou que vá deixar a legenda tucana. “Vamos permanecer no mesmo partido, o PSDB, até porque, estamos montando uma grande nominata para fazer de cinco a seis vereadores nas próximas eleições”, argumentou.

Também há aqueles que ainda não decidiram o que farão, a exemplo dos vereadores Nivaldo Bacurau (PSB), Bispo Francisco de Assis (PRB) e Raniere Barbosa, que está sem partido desde o ano passado. “Tenho conversado com alguns partidos. Tenho que analisar a estrutura do partido, a nominata, o tempo de propaganda, o fundo eleitoral e partidário que disponibiliza. São várias situações que precisam ser analisadas com prudência para se tomar a decisão certa”, disse Raniere.

Cláusula de barreira obriga saída de vários partidos

Os vereadores do PTB, devem deixar a legenda de qualquer forma. O partido chegou a eleger três parlamentares em 2020, mas não conseguiu alcançar a cláusula de barreira, ou seja, pelo menos 2% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação, com um mínimo de 1% dos votos válidos em cada uma delas, ou, pelo menos eleger 11 deputados federais (em 2022) distribuídos em pelo menos um terço das unidades da federação.

Pela legislação, apenas chegando a esse percentual é que a legenda pode ter acesso ao dinheiro do fundo eleitoral e ao tempo gratuito de Rádio e TV, o que inviabiliza o funcionamento da legenda. Com isso, do PTB, Hermes Câmara já havia deixado a legenda e ingressado no PSDB. Luciano Nascimento já decidiu ir para o PSD; e Peixoto ainda estuda qual caminho seguir.

Luciano Nascimento (PTB): “Estou saindo do PTB. Indo para o PSD” / Foto.Magnus Nascimento

O PROS, partido da vereadora Margarete Régia, também não alcançou a cláusula e a parlamentar deve migrar para outra agremiação partidária, mas não informou qual a sua situação no momento. Além disso, a vereadora Ana Paula precisaria mesmo sair do Solidariedade, partido que também não alcançou a cláusula.

Dos 28 partidos e federações que concorreram nas últimas eleições, apenas 12 conseguiram alcançar a cláusula de desempenho prevista para o pleito daquele ano, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Outros 16 partidos não alcançaram a cláusula, mesmo que sete desses tenham elegido deputados federais: Avante, PSC, Solidariedade, Patriota, PTB, Novo e Pros. Os demais partidos que não atingiram a cláusula foram: Agir, DC, PCB, PCO, PMB, PMN, PRTB, PSTU e UP.

Como alternativa, podem se fundir uns com os outros, ser incorporados ou ainda constituir federações com outros partidos que tiveram melhor desempenho nas urnas.

Com informações, Tribuna do Norte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.