Magno Malta usa CPI para se cacifar como vice de Bolsonaro

Magno Malta - PR-ES

Presidente de uma CPI no Congresso pela quarta vez, o senador Magno Malta (PR-ES) tem um desafio pela frente: conseguir adiar o fim da comissão no Senado que investiga maus-tratos a crianças e adolescentes. O prazo acaba neste mês e sua intenção é prorrogá-lo até o fim do primeiro semestre de 2018. Isso porque as reuniões do colegiado têm sido usadas como uma espécie de “palanque” eleitoral para o senador, ligado à bancada evangélica, e cotado para ser vice em uma eventual chapa presidencial do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) – de malas prontas para o Patriota.

“Isso é coisa das redes sociais”, diz Malta quando questionado sobre a dobradinha. Ele admite, porém, afinidade de ideias com o vice-líder nas pesquisas de intenção de voto. “Nós somos amigos, defendemos a família, a Pátria, acreditamos em um País que canta o Hino Nacional”, afirma o senador. Fotos dos dois juntos estão nas redes sociais tanto nas de Malta quanto nas de Bolsonaro.

A atuação do senador na CPI da Pedofilia, concluída em 2010, o tornou uma espécie de celebridade nas redes sociais, sobretudo em grupos de direita. Desde então, tem usado o tema como uma das principais bandeiras e na CPI dos Maus-Tratos repete a estratégia que lhe garantiu a reeleição há sete anos. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia maisMagno Malta usa CPI para se cacifar como vice de Bolsonaro

Carlos Marun assumirá Secretaria de Governo na quinta-feira

Carlos Marun

O Palácio do Planalto confirmou, na noite deste sábado (9), o convite feito pelo presidente Michel Temer a Carlos Marun para assumir a Secretaria de Governo, em substituição a Antonio Imbassahy.

Deputado federal pelo PSDB da Bahia, Imbassahy deixou a pasta após entregar uma carta pedindo exoneração do cargo. Carlos Marun, de 57 anos, é deputado federal do PMDB de Mato Grosso do Sul e tomará posse na próxima quinta-feira (14).

Segundo nota emitida pelo Palácio do Planalto, Antonio Imbassahy continuará na função até a transmissão oficial do cargo. Imbassahy participou ontem (9), em Brasília, da convenção nacional do PSDB, na qual o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi eleito presidente do partido. As informações são da Agência Estado.

Leia maisCarlos Marun assumirá Secretaria de Governo na quinta-feira

Começa a desmoronar império de vereador João Wálace por causa de dívida de R$ 1,3 milhão

Resultado de imagem para presidente joao walace

O império montado pelo empresário, vereador e atual presidente da Câmara de Vereadores do Assú  João Wálace, começa a desmoronar por causa de dívida de mais de R$ 1,3 milhão contraída por sua cerâmica.

O banco do Nordeste esta acionando a Justiça para receber a dívida milionária do presidente da Câmara de Vereadores do Assu. Os juízes Aline Belem Cordeiro e Diego de Almeida Cabral, já determinaram que Walace pague as dívidas sob pena de penhora de seus bens e também de sua esposa.

As dívidas de Walace somam mais de R$ 1,3 milhão. As dívidas são de R$ 550.605,84 – R$ 450.373,00 e R$ 303.461,69

Banco do Nordeste executa presidente da Câmara de Assú por dívida de R$ 303 mil

Resultado de imagem para presidente joao walace

O  Banco do Nordeste do Brasil S/A ingressou com ação de título extrajudicial contra o empresário ceramista e  presidente da Câmara de Vereadores do Assú João Walace da Silva, para cobrar uma dívida de R$ 303.461,69.

O juiz Diego de Almeida Cabral mandou intimar o bem sucedido vereador e empresário para que em 03 (três) dias efetuar voluntariamente o pagamento da dívida, acrescida de correção monetária, juros de mora, custas processuais e honorários advocatícios.

O juiz determinou que, não efetuado o pagamento, a Justiça deve penhorar bens do empresário e presidente do legislativo para a quitação da dívida. O magistrado diz ainda que ficam os Oficiais de Justiça autorizados, desde já, a proceder, caso o devedor feche as portas da casa a fim de obstar a penhora dos bens, com o arrombamento. Veja aqui documento

Vereador João Paulo, o político mais sujo da bancada do prefeito do Assú

Resultado de imagem para vereador do Assu joão paulo receb premio

O vereador João Paulo, do Solidariedade, é o político mais sujo que o prefeito do Assú Gustavo Soares, conta na bancada governista na Câmara Municipal, mas ele age como paladino da justiça, como se nada tivesse acontecido durante seu passado nebuloso para galgar a função que hoje ocupa no legislativo assuense.

Acusado da prática de peculato pelo Ministério Público na época da gestão do pai do atual prefeito do PR e apontado como integrante da quadrilha dos gafanhotos que roubou mais de R$ 1 milhão dos cofres do município, ele tem sido regiamente recompensado pelo atual governo com contratos milionários para uma empresa do seu irmão.

Uma lava a outra A generosidade do prefeito Gustavo Soares cheira mais a medo dos segredos que o vereador réu esconde, já que João Paulo aposta na reeleição do deputado estadual Kelps Lima e não deverá votar pela reeleição do deputado estadual George Soares

Na próxima quinta começa discussão sobre reforma da Previdência

Rodrigo Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse neste sábado ao presidente Michel Temer que vai pautar, a partir da próxima quinta-feira, dia 14, as discussões sobre a reforma da Previdência, segundo apurou o “Broadcast”. Inicialmente, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que modifica as regras para se aposentar no Brasil só seria coloca em análise no plenário da Casa na semana do dia 18.

Maia esteve reunido com Temer no Palácio da Alvorada, além do tucano Antonio Imbassahy, que pediu na sexta-feira demissão da Secretaria de Governo, e o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que assumirá o cargo na próxima quinta-feira.

Após a reunião, Marun disse que o governo está confiante na aprovação da reforma ainda neste ano. “Nós tivemos hoje uma boa notícia que o foi o fechamento de questão do PPS. Já são três partidos que decidiram fechar questão. As informações são da Agência Estado.

Leia maisNa próxima quinta começa discussão sobre reforma da Previdência

Lula defende acordos com oposição se voltar ao governo

Lula

Em encontro com artistas e intelectuais no Rio de Janeiro, como parte da sua caravana pelo Brasil, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva adotou um tom conciliador em seu discurso, ao defender uma postura pragmática e um diálogo com a oposição em um possível retorno ao governo.

O petista lembrou que, para governar, é preciso ter o apoio de pelo menos 42 votos no Senado e 257 na Câmara, números que correspondem à maioria simples nas duas casas, e disse que é improvável ter uma base desse tamanho só com partidos de esquerda.

“Não se consegue somar esses números com quem perdeu a eleição, porque suplente não vota, só vota quem ganhou. Percebe a dificuldade? E se quem ganhou não é nosso a gente tem que conversar. Aí você pode fazer acordos pontuais, pode fazer acordo programático, é possível fazer. Só é preciso saber se o outro lado quer”, disse Lula. “Na política a gente cede quando é necessário e avança quando é possível”, afirmou também.

Leia maisLula defende acordos com oposição se voltar ao governo

Exército destitui de cargo general que criticou Temer

Mourão

O Exército pedirá ao ministro da Defesa, Raul Jungmann, a destituição do general Antonio Hamilton Mourão do cargo de secretário de Economia e Finanças do Comando do Exército depois que ele afirmou que o presidente Michel Temer faz do governo um “balcão de negócios” para se manter no poder.

Mourão vai ficar sem função à espera do tempo de ir para reserva, em março de 2018. Para o lugar dele, o comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, indicou o general Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira.

Em palestra a convite do grupo Terrorismo Nunca Mais (Ternuma), no Clube do Exército, em Brasília, na quinta-feira (7), o general Mourão elogiou a pré-candidatura presidencial do deputado e capitão da reserva do Exército Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Também voltou a fazer uma defesa da intervenção militar como solução para a crise política no Brasil. As informações são da Agência Estado.

Leia maisExército destitui de cargo general que criticou Temer

Aécio faz passagem relâmpago, é vaiado e sai pelos fundos de convenção

Aécio

O senador Aécio Neves (MG) fez uma breve passagem na Convenção Nacional do PSDB, onde recebeu muitas críticas por ser investigado, suspeito de pedir propina aos donos da empresa JBS. O Supremo Tribunal Federal (STF) quebrou sigilos do senador. Ele nega irregularidades, mas afastou-se da presidência partidária desde que foi delatado.

Ao entrar no auditório, ele foi longamente vaiado pela militância do partido, segundo o portal G1. Aécio saiu pelos fundos do palco e foi embora por uma passagem privativa, que liga o centro de convenções Brasil 21, em Brasília, ao Hotel Meliá. Deputados federais por Minas Gerais, Caio Narcio e Paulo Abi Ackel, o cercavam. Ele nem sequer esperou os discursos principais e deixou o evento por volta das 11h45 deste sábado, 9.

Atual presidente do PSDB e alvo da Operação Lava Jato, Aécio surpreendeu ao chegar à convenção do PSDB, pois sua presença ainda era dúvida. O senador pregou a unidade da legenda. “Essa é a convenção da unidade do PSDB e Alckmin significa a garantia dessa unidade”, discursou. As informações são da Agência Estado.

%d blogueiros gostam disto: