Blogueiro que precisa de transplante para sobreviver acusa os Soares de perseguição

A gestão Gustavo e Fabielle e oligarquia Soares pregam “amor” e discursos bonitos só nas redes sociais, porque na vida real são implacáveis contra quem não reza na sua cartilha, porque perseguem e humilham quem precisa dos serviços de saúde que é obrigação do município.

O blogueiro Juscelino França denunciou os desmandos da gestão que é orientada pelo ex prefeito Ronaldo e o deputado estadual George Soares, a tratarem os adversários com vingança e ódio, mesmo que isso seja um ato de grande desumanidade e ainda acarrete para eles problema no Ministério Público e na justiça, pois o acesso a saúde é um direito de todo cidadão.

Juscelino que precisa de um transplante nos rins, deve procurar urgentemente o Ministério Público e se necessário acionar a justiça comum, que sem sombra de dúvida irá conceder uma liminar para que a Prefeitura cumpra seu papel e garanta o acesso a saúde que o blogueiro precisa, pois se tem dinheiro para pavimentar ruas, pagar instalação de LED, pagar milhões de combustível e dentre outros gastos, com certeza tem como disponibilizar um carro para o blogueiro ir na capital para dar andamento aos exames e outros trâmites caso seja possível o transplante de rins.

A população de Assú precisa compreender que garantir os serviços básicos de saúde não é favor de Gustavo Soares e nem de Fabielle Bezerra, é uma OBRIGAÇÃO que é garantida na nossa constituição, e quando isso não ocorre, as pessoas podem acionar a justiça, para que ela obrigue o cumprimento, principalmente quando a gestão deixa de fazer por vingança e mera perseguição, um sentimento pequeno e que não cabe em quem escolhe servir ao povo como político.

Lei de Ezequiel prioriza atendimento aos portadores de diabetes no RN

Agora é lei. Foi sancionado o Projeto de Lei do deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, que assegura atendimento prioritário aos portadores de diabetes em toda a rede de saúde pública ou privada do Estado do Rio Grande do Norte. “Para obter o benefício previsto nesta Lei, o usuário do serviço de saúde deverá comprovar a condição de portador de diabetes mediante a apresentação de documento médico (laudo) que ateste a patologia. Os estabelecimentos, no momento do atendimento, devem identificar as pessoas portadoras de diabetes para que assim possa ser dada a prioridade e a celeridade ao atendimento”, explica o deputado. A lei foi sancionada pela governadora Fátima Bezerra (PT) e já publicada no Diário Oficial do Estado.

Com a sanção da governadora do Estado ficam os hospitais, unidades de saúde, clínicas, laboratórios e similares, que integram a Rede de Saúde Pública ou Privada do Estado do Rio Grande do Norte, a partir da vigência desta Lei, obrigados a oferecer as pessoas portadoras de Diabetes Tipo 1 e Tipo 2, atendimento prioritário na realização de exames laboratoriais, por imagens, endoscópicos ou congêneres, que necessitem ser executados em jejum. A prioridade mencionada na lei equipara-se à prevista para os idosos, deficientes e gestantes.

“Para a realização desses exames periódicos, essas pessoas necessitam, para tanto, realizar jejum, o qual não deve ocorrer em períodos prolongados, sob pena de serem acometidas por eventos de hipoglicemia, que, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), podem desencadear o aparecimento de tremores, tontura, taquicardia, visão turva, desorientação, perda de consciência, convulsões, entre outros problemas”, justificou o deputado.

O percentual de homens do Município do Natal que apresentaram diagnóstico médico de diabetes mais que dobrou (106,8%) entre os anos de 2006 e 2017. No Rio Grande do Norte a situação é preocupante, isso porque a quantidade de internações em razão da diabetes aumentou 26,6%, saindo de 2.577 casos em 2010 para 3.264 em 2016, segundo noticia o Ministério da Saúde. A diabetes é uma síndrome metabólica de origem múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou incapacidade de a insulina exercer adequadamente seus efeitos, causando um aumento da glicose no sangue. Devido à necessidade do controle permanente dos índices de açúcar no sangue e a uma série de complicações que o excesso causa ao corpo humano, os exames médicos, laboratoriais e clínicos, são uma rotina para essas pessoas portadores da diabetes.

RN exporta 14% menos, mas registra saldo positivo de US$ 159,4 milhões na balança comercial de 2020

Frutas frescas seguem na liderança das exportações feitas pelo Rio Grande do Norte. — Foto: Agência Sebrae

A balança comercial do Rio Grande do Norte encerrou 2020 com um saldo positivo – superávit de US$ 159,4 milhões. O montante é 42% menor que o de 2019, que foi de US$ 226,9 milhões, mas ficou acima dos saldos dos três anos anteriores. Em relação a 2019, somente as importações registraram alta. Os valores do saldo e das exportações foram menores que o período anterior.

O Rio Grande do Norte exportou um volume de US$ 339,9 milhões – uma redução de 13,9% em valores, na comparação com os resultados de 2019. A fruta fresca continua sendo o carro chefe das exportações potiguares e teve uma queda da ordem de 18,5% em doze meses, atingindo um total de US$ 95,2 milhões. Em 2019, as exportações da fruta somaram quase US$ 117 milhões.

Os dados foram divulgados pelo Sebrae e constam no Boletim de Comércio Exterior – um informativo anual que traz uma análise do comportamento das exportações e importações no estado, Nordeste e Brasil.

O segundo item mais vendido no mercado internacional foi o óleo combustível, cuja negociação chegou a US$ 58,6 milhões, seguido das melancias frescas, com volume de US$ 32,5 milhões, e, depois, o sal (US$ 28,5 milhões). Esses produtos tiveram como principais destinos os Estados Unidos, Cingapura e Holanda, que foram os três principais parceiros comerciais do Rio Grande do Norte em 2020 no que se refere à compra de mercadorias.

Leia maisRN exporta 14% menos, mas registra saldo positivo de US$ 159,4 milhões na balança comercial de 2020

FARRA DO LIXO: Prefeito de Macau vai gastar quase 12 mil reais por dia em coleta de lixo durante 90 dias

O prefeito de Macau Zé Antônio, do partido Democratas, que foi eleito para gerir a cidade, juntamente com o seu vice Rodrigo Aladim, que tem fama de “traidor”, pelo fato de sempre se escorar em algo e quando surge uma oportunidade não conta duas vezes para pular de lado, iniciaram o ano de 2021 com tudo.

Como diz um ditado bem conhecido, Zé e Rodrigo são os típicos “pé podre e bota velha”, um que já foi prefeito da cidade e outro que é oportunista, não pode dá muito certo. Com isso, Zé Antônio sem dó e nem piedade fez uma contratação emergencial da empresa VALE NORTE CONSTRUTORA LTDA, especializada na coleta e disposição de lixo urbano para o município (veja aqui o contrato).

A contratação no mínimo é imoral, em que Zé Antônio vai gastar um pouco mais de um milhão de reais em 90 dias, e cerca de quase 12 mil reais por dia. A única coisa que o povo de Macau não esperava era esse gasto exorbitante com lixo, mostrando a falta de preocupação e interesse do prefeito e do vice em fazer Macau uma cidade diferente.

Carlos Júnior se destaca entre secretários e já é um nome forte para a Câmara Municipal

O secretário municipal de saúde do Assú, Carlos Júnior, por seu perfil pacífico e sereno, e aprendeu a lição passada pelo prefeito Gustavo e deputado George Soares, que recebeu deles a ordem para não resolver nada pelas vias normais, ou seja pelo tramite normal da saúde.

A estratégia dos Soares é que as pessoas tenham que ir procurar o secretário para “dever” o favor,  e com isso, Carlos Júnior ganha a fama e consegue se popularizar, o credenciando para ser candidato a vereador.

Comenta-se nos bastidores que ele atua forte na secretaria visando uma cadeira na Câmara Municipal do Assú na próxima legislatura, afinal ele é de confiança do prefeito e todos sabem que a saúde é responsável por eleger algumas vagas na câmara, como aconteceu com Wedson, Fabielle, Lucianny, Elisangela, dentre outros.

Conta salgada: governo federal gastou mais que o dobro com leite condensado do que com arroz

Um dos muitos memes sobre os gastos do Executivo com leite condensado

A informação de que órgãos do governo federal gastaram mais de R$ 15 milhões somente com leite condensado em 2020 — em meio a R$ 1,8 bilhão consumidos com alimentos — gerou uma enxurrada de memes e críticas nas redes sociais nesta terça-feira (26), após ser divulgada pelo site “Metrópoles”. Os dados, extraídos do Painel de Compras do Ministério da Economia, levaram três parlamentares a fazerem uma representação no Tribunal de Contas da União (TCU) pedindo que a Presidência da República seja investigada pelo aumento de gastos do Executivo com a “lista do mercado”.

De acordo com o “Metrópoles”, em 2020 houve um aumento de 20% nas despesas com itens alimentícios adquiridos pelo governo, em relação ao que foi gasto no ano anterior. Os maiores montantes foram pagos pelos ministérios da Defesa e da Educação. A primeira pasta é responsável pela alimentação do efetivo das Forças Armadas e, em nota enviada ao site, informou que “toda despesa efetuada pela Administração Pública Federal está dentro do orçamento”.

Entre os alimentos listados pelo site, apareceram biscoitos, sorvete, massa de pastel, geleia de mocotó, pão de queijo, pizza, vinho, bombom e chiclete. O item que mais mobilizou os internautas foi o leite condensado, que ficou entre os assuntos mais comentados no Twitter. Muitas postagens lembravam que o ingrediente é a estrela de uma das receitas favoritas do presidente Jair Bolsonaro, o pão francês com leite condensado, mas é importante ressaltar que as compras do Palácio da Alvorada, onde ele mora, não estão neste levantamento. O gasto com leite condensado foi mais que o dobro do que o gasto com arroz, por exemplo (veja no fim da matéria o quanto foi pago por alguns itens)

“Entrarei na justiça para pedir explicações sobre os gastos absurdos do Bolsonaro! Mais de R$ 15 milhões em Leite Condensado e Chiclete com dinheiro público? Isso é corrupção!”, escreveu numa rede social o candidato do PDT à Presidência da República em 2018, Ciro Gomes. O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) listou os gastos com alguns itens e disse que, com o total de R$ 148 milhões, seria possível bancar 247 mil auxílios emergenciais, benefício pago no ano passado a pessoas de baixa renda por conta da pandemia de Covid-19.

Leia maisConta salgada: governo federal gastou mais que o dobro com leite condensado do que com arroz

Estudo detecta mutação do coronavírus em 85% de amostras em Manaus; rastreio no Brasil é falho

Uma análise preliminar feita por pesquisadores brasileiros e britânicos mostra que a nova variante do coronavírus originária do Amazonas deve ter se tornado predominante em Manaus. O avanço da cepa é apontado como uma das razões para a explosão de casos na cidade e o consequente colapso no sistema de saúde local.

A partir do sequenciamento genético do vírus coletado em exames de pacientes infectados na capital amazonense, os cientistas verificaram que, até novembro, não havia registro da cepa P.1 entre as amostras analisadas. Já no mês de dezembro, 52,2% dos genomas sequenciados eram da nova variante. Em janeiro, esse índice passou para 85,4%.

Embora o número de amostras sequenciadas pelo grupo de pesquisa seja pequeno (142), os cientistas afirmaram que os “os dados sugerem um aumento na proporção de casos da variante P.1 em Manaus”, segundo texto publicado na plataforma científica virological.org pelo pesquisador Nuno Faria, um dos integrantes do Centro Brasil-Reino Unido de Descoberta, Diagnóstico, Genômica e Epidemiologia de Arbovírus (grupo Cadde), que conta com pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Duas mutações identificadas na cepa brasileira e que também estão presentes em outras variantes descobertas no mundo estão associadas a um maior potencial de transmissão e reinfecção, segundo estudos preliminares.

Especialistas temem que a P.1 já tenha se disseminado para outros Estados brasileiros, mas que não tenha sido ainda identificada pelo baixo número de sequenciamentos realizados no País. A escassez de centros especializados e as dificuldades na aquisição de insumos são entraves para a ampliação do monitoramento genômico no Brasil. Tanto é que a nova variante brasileira foi detectada em cinco países (Japão, Reino Unido, Estados Unidos, Itália e Alemanha) antes de ser encontrada em outros Estados brasileiros.

Leia maisEstudo detecta mutação do coronavírus em 85% de amostras em Manaus; rastreio no Brasil é falho

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: