fbpx

Em carta a Haddad, presidente do BC justifica estouro da meta de inflação

Em carta endereçada ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto (foto), elencou os fatores que foram decisivos para que a inflação do ano passado tenha ficado acima da meta.

Campos Neto citou a inércia da inflação do ano anterior; a elevação dos preços de commodities, em especial do petróleo; o desequilíbrios entre demanda e oferta de insumos e gargalos nas cadeias produtivas globais; o choques em preços de alimentação, resultantes de questões climáticas; e a retomada na demanda de serviços e no emprego, impulsionada pelo acentuado declínio da quantidade de casos de Covid e consequente aumento da mobilidade.

O IPCA fechou o ano passado em 5,79%, segundo o IBGE. A meta para 2022, por sua vez, era de 3,5%, com intervalo de tolerância até 5%.

O BC disse esperar uma inflação no limite do teto da meta, em 5%, neste ano, embora as projeções do mercado estejam acima disso. “Em 2023, a inflação ainda se mantém superior à meta, em virtude principalmente da hipótese do retorno da tributação federal sobre combustíveis nesse ano e dos efeitos inerciais da inflação de 2022”, disse.

Leia aqui a íntegra da carta.

Com informações, O antagonista

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: