fbpx

Encontros de Lula com Renan e Renata Campos, geram trepidação no PT

Resultado de imagem para Encontros de Lula durante caravana geram críticas dentro do PT

Dois movimentos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante sua caravana estão causando críticas dentro do PT: seu encontro com o senador Renan Calheiros e um jantar, ocorrido na noite desta quinta-feira (24), com Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos.

Embora o jantar com Renata tenha um caráter particular –já que Lula era amigo do casal– recentes articulações sinalizam para uma aproximação entre PT e PSB de Pernambuco. Presença constante no Instituto Lula, o ex-prefeito Fernando Haddad almoçou com Câmara há dez dias.

Pelo acordo em gestação, o PT apoiaria a reeleição do governador Paulo Câmara. Em troca, o PSB apoiaria o PT para o Senado, acordo que é chamado de “abraço de afogados” por integrantes da chamada esquerda petista.

O partido apoiou a candidatura de Armando Monteiro em 2014, mas as chances de reedição da aliança são mínimas depois que o deputado votou em favor da reforma trabalhista. As informações são de Catia Seabra, Folha de São Paulo.

Admitindo a hipótese de reaproximação, o ex-prefeito de Recife e deputado João Paulo afirma que qualquer decisão depende uma análise mais profunda. Em primeiro lugar, está a consolidação da aliança pela eleição de Lula.

“O rabo não pode abanar o cachorro. Vamos analisar com cuidado”, disse ele.

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffman (PR), minimiza o impacto político do jantar com Renata, afirmando que esse foi um gesto de amizade.

“Lula sempre teve uma boa relação com o casal. Gosta muito deles. Não é sinalização nenhuma”, disse ela.

Outro encontro com repercussão ruidosa aconteceu em Alagoas, na cidade de Penedo, onde o senador Renan Calheiros (PMDB) recepcionou Lula às margens do Rio São Francisco. No dia seguinte, Renan foi vaiado em uma homenagem a Lula. À noite, senador e ex-presidente sentaram-se `a mesa em um jantar oferecido pelo ex-vice governador José Washington Neto.

Gleisi também minimizou essa fotografia, alegando que Lula não poderia impedir que o peemedebista subisse em seu palanque.

“Temos divergências. Ele apoiou o impeachment da presidente Dilma. Mas, como diz o próprio presidnete Lula, Renan era presidente do Senado e ajudou o seu governo [de Lula]. Não podemos levar essas coisas tão a ferro e fogo.”

Em Sergipe, Lula convidou o governador Jackson Barreto (PMDB) para atividades de campanha. A CUT abandonou a caranava de Lula no Estado. E Barreto foi vaiado duas vezes.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: