Maia diz que haverá quorum para votar denúncia na quarta

São Paulo SP Brasil28 07-2017 Rodrigo Maia presidente da camara dos deputados durante coletiva depois do almoço com o prefeito em exercicio Milton Leite na sede da prefeitura de São Palo PODE Jorge Araujo Folhapress 703 ORG XMIT: XXX

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), rebateu em tom crítico a avaliação do presidente Michel Temer (PMDB) de que não haverá quorum para votar a denúncia na semana que vem.

“Na minha opinião, haverá quorum”, disse nesta sexta-feira (28). “O Brasil precisa de uma definição sobre esse assunto e não se pode, do meu ponto de vista, respeitando a opinião de cada um, se jogar com um assunto tão grave como uma denúncia oferecida pela PGR contra o presidente da República”, afirmou após almoçar com o prefeito de São Paulo em exercício, Milton Leite (DEM).

“Nosso papel é votar. Quem quiser vota sim, quem quiser vota não. Mas não votar é manter o país parado.” Maia negou que tenha traçado estratégias no jantar na véspera com Temer no Palácio do Jaburu.

Ele disse que não precisa conversar com líderes por ter certeza de que haverá quorum. “A oposição tem os seus votos, o seu trabalho, mas aqueles que são de partidos da base e votarão a favor da abertura da denúncia não têm nenhum motivo para obstruir a votação”, afirmou.

Maia calcula que a votação terá mais de 480 deputados presentes. As informações são da Folha de São Paulo.

O presidente da Câmara defendeu a votação imediatamente após a volta do recesso para não “deixar o paciente no centro cirúrgico com a barriga aberta”. “Essa denúncia se não for resolvida é a doença. Porque a pauta do Congresso vai ficar parada.”

Temer passou a defender que seja convocada nova sessão parlamentar na segunda semana de agosto, alegando que os partidos de oposição farão obstrução, o que inviabilizaria uma votação, já que o Palácio do Planalto reconhece que não conta com 342 parlamentares governistas.

MEIRELLES

Maia, que assumirá a Presidência caso Temer seja afastado, elogiou o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que vem sendo atacado especialmente após o anúncio de aumento de impostos sobre combustíveis, e disse reafirmar “meu compromisso, meu apoio” à política econômica desse governo.

“A gente não pode nem deve mexer sem motivo na meta fiscal que foi apresentada no início do ano, já temos um rombo fiscal gravíssimo no Brasil, então a gente precisa votar a denúncia exatamente para que a gente possa votar ao tema das reformas”, defendeu.

Temer tem sofrido pressão de aliados para revisar a meta fiscal do governo, hoje de R$ 139 bilhões. Segundo a colunista Mônica Bergamo, parlamentares já se articulam para apresentar projeto de lei aumentando o rombo em R$ 30 bilhões.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: