Modelo de eventual eleição indireta causa disputa entre Câmara e Senado

BRASILIA, DF, BRASIL, 26-05-2017, 10h00: O presidente Michel Temer, ao lado dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Sergio Etchegoyen (GSI) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Raul Jungmann (Defesa) e Osmar Serraglio (Justiça), durante reunião do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)

Por Mônica Bérgamo – colunista da Folha de São Paulo

Deputados e senadores travam disputa para saber quem terá mais peso em uma eventual eleição indireta para escolher o sucessor de Michel Temer. A Câmara dos Deputados defende eleição unicameral, ou seja, o Congresso, reunião de deputados e senadores, elege o futuro presidente.

PESO PESADO

Com isso, os deputados passam a ter peso incontrastável na escolha, já que eles são 513, contra 81 senadores. Nesse cenário, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, emerge como candidato imbatível.

MEU MOMENTO

Já senadores dizem que a eleição deve ser bicameral: o futuro presidente teria que vencer entre os 513 deputados e, em eleição separada, entre os 81 senadores. Com isso, eles ganham peso. E nomes como o do senador Tasso Jereissati teriam mais chance.

EMPATE

“Essa solução poderia levar a um impasse, com a possibilidade de jamais termos um vencedor”, diz, por exemplo, o deputado Orlando Silva (PC do B-SP).

TUDO NOVO

A lei que versa sobre eleição indireta é de 1964. Há o entendimento de que ela não foi recepcionada pela Constituição de 1988. Novas regras, portanto, teriam que ser discutidas agora.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: