fbpx

MPs com corte de gastos com pessoal vão aguardar volta de Temer

Resultado de imagem para temer na china

Apesar de estarem prontas, as duas medidas provisórias com as ações para reduzir gastos com o pagamento de servidores e aumentar a contribuição previdenciária devem aguardar o retorno do presidente Michel Temer da China, previsto para o dia 6 de setembro. Segundo fontes do Palácio do Planalto, o teor das MPs é de muita responsabilidade “para um presidente em exercício” – em referência a Rodrigo Maia, presidente da Câmara.

Sem a publicação das MPs, o governo não poderá contar com a redução das despesas na lei orçamentária a ser enviada hoje, o que complica ainda mais a já difícil conta de fechar o Orçamento A equipe econômica contava com a edição das medidas para fazer um Orçamento “mais realista”, o que não deverá ocorrer.

Juntas, essas medidas têm impacto fiscal projetado em R$ 7 bilhões. É uma economia importante no Orçamento, resultado do adiamento das despesas com os reajustes salariais e de um aumento de receitas, com o aumento da contribuição e da tributação dos fundos. No entanto, antes mesmo de serem editadas, elas já sofrem resistências, inclusive no Congresso. As informações são da Agência Estado.

O Planalto reconhece a pressão da Fazenda e do Planejamento, mas afirma que as conversas ao longo do dia avançaram para a compreensão de que é preciso tratar as matérias com mais cautela As medidas possuem um peso impopular e mexem com uma categoria organizada e sensível, o que pode acarretar em mais dificuldades para o governo.

Auxiliares de Temer minimizam um possível questionamento do Tribunal de Contas da União (TCU), com mudanças feitas pelo Congresso, a exemplo das pedaladas que afastaram a presidente Dilma Rousseff, e afirmam que poderia haver algum problema justamente se o Orçamento de 2018 fosse enviado com a previsão dessas receitas.

Reviravolta

A única forma de eventualmente a equipe econômica conseguir incluir as MPs no Orçamento seria uma pressão justamente no presidente em exercício para que ele chamasse para si a responsabilidade da assinatura das medidas e solicitasse o texto que está na Casa Civil. Uma fonte do Planalto disse, porém, que Maia já demonstrou resistência em cuidar do assunto.

As medidas para reduzir gastos com o pagamento de servidores e aumentar a contribuição previdenciária fazem parte do pacote divulgado no dia 15 deste mês, quando o governo anunciou que pediria ao Congresso a mudança das metas fiscais deste e do próximo ano, ampliando o déficit em R$ 20 bilhões em 2017 e em R$ 30 bilhões em 2018.

Segundo o Estadão/Broadcast apurou, será enviada uma MP apenas com o aumento da alíquota previdenciária para os servidores da União, que passará de 11% para 14%. A segunda MP contemplará o adiamento do reajuste dos servidores, cancelamento de aumento para quem tem cargo comissionado e a redução de benefícios como auxílio moradia e ajuda de custo.

Já o projeto que reestrutura a carreira dos servidores do Executivo, limitando o salário inicial de novos funcionários a R$ 5 mil, ainda está em elaboração e só deverá ser enviado em um mês.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: