Para aprovar mudanças na Previdência, Temer autoriza Maia a negociar cargos

Em semana que pode ser decisiva para a reforma da Previdência, o presidente Michel Temer se reaproximou do presidente da CâmaraRodrigo Maia (DEM-RJ), e conferiu a ele poderes para recompor os postos-chave do Ministério das Cidades. Além de emplacar o deputado Alexandre Baldy, de quem é amigo pessoal, no comando da pasta, Maia vai dividir com os partidos que compõem o chamado centrão (PP, PSD, PR, PRB, PTB e PSC) a secretaria-executiva e as secretarias de Habitação, de Saneamento, Desenvolvimento Urbano e de Mobilidade Urbana.

O presidente da Câmara também vai ajudar Temer na reforma ministerial e na tentativa de segurar votos do PSDB. Temer negocia o remanejamento do ministro da Secretaria-Geral de Governo, Antonio Imbassahy, para outra pasta. Uma possibilidade é que ele assuma o lugar de Luislinda Valois, do mesmo partido, na Secretaria de Direitos Humanos.

O fim de semana também foi de definição de estratégias para a aprovação da reforma da Previdência, em encontros de Temer com Maia, ministros e líderes governistas. O presidente vai pedir votos dos prefeitos, que irão à Brasília na quarta-feira; terá uma agenda com governadores e dará um jantar no Palácio do Alvorada aos deputados da base de apoio, presidentes da Câmara e do Senado e ministros. No encontro, o economista José Márcio Camargo e a equipe técnica do Ministério da Fazenda vão falar da necessidade da aprovação da reforma da Previdência para o país. As informações são de O Globo.

A reaproximação de Temer com Maia, que vinha marcando terreno nas últimas semanas com a recusa de medidas provisórias e manifestações sobre a dificuldade em aprovar a reforma, surtiu efeito. Depois do encontro no sábado, Maia fez uma defesa enfática da proposta.

— Sem a reforma da Previdência, o Brasil vai quebrar, não chega a 2019. Vamos mostrar os números para os partidos da base. Os brasileiros de menor renda precisam da reforma — disse Maia ao GLOBO.

Segundo interlocutores, no encontro com Temer, ministros e líderes, Maia sugeriu iniciar a votação da reforma na primeira semana de dezembro. Amanhã, Maia reunirá os líderes dos partidos da base para discutir a proposta. A intenção é fechar o texto no jantar de quarta-feira. Todos os detalhes estão sendo fechados com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que esteve ontem à noite na casa de Maia. Além de idade mínima (65 anos para homens e 62 anos para mulheres) com regra de transição, a equipe econômica quer a convergência de regras entre setor privado e público, mudanças do cálculo da aposentadoria, alterações no valor da pensão e teto para acumular benefícios. Para facilitar a votação, foram retirados da proposta trabalhadores rurais e benefícios assistenciais (pagos a idosos de baixa renda).

GOVERNO AINDA NÃO TEM OS VOTOS

Segundo o o vice-líder do governo na Câmara, Pauderney Avelino (DEM-AM), Maia ficou com a responsabilidade de “pilotar” os partidos do centrão a favor da aprovação da proposta:

— O presidente Temer está muito confiante nessa condução de Rodrigo Maia.

Nas contas de um auxiliar de Temer, o Executivo teria em torno de 220 votos (já consagrados no chamado núcleo duro em votações anteriores). Como se trata de uma emenda à Constituição, são necessários 308 votos. Por isso, destacou o vice-líder do governo, deputado Beto Mansur (PRB-SP), é necessário carimbar pelo menos mais 100 votos para por a reforma em votação no plenário. Mansur também esteve com Temer ontem à noite para mostrar os números.

A Executiva do PSDB se reúne na próxima quarta-feira para definir um posicionamento sobre a votação da reforma da Previdência. Os defensores do desembarque do governo, alegam que, mesmo fora, os tucanos continuariam apoiando a agenda de reformas. Ontem, depois de receber a visita de Meirelles, Maia também recebeu o ministro Imbassahy para discutir a continuidade do PSDB no governo.

O nome do atual presidente do Sesi, ex-deputado João Henrique, foi praticamente descartado para ocupar a vaga de Imbassahy na Secretaria de Governo. O líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), defende que seja alguém com mandato para influenciar na votação da reforma da Previdência. Já líderes de outros partidos da base, defendem que não seja um nome do PMDB, que já ocupa os dois principais cargos do entorno de Temer, Moreira Franco na Secretaria Geral, e Eliseu Padilha, da Casa Civil.

— Moreira e Padilha já são do PMDB. Botar mais um peemedebista no terceiro cargo mais importante do núcleo do Planalto é um perigo. Iria desequilibrar muito a correlação de forças com os demais partidos da base — diz um dos líderes aliados.

Há uma pressão para o futuro ministro das Cidades, Alexandre Baldy (Podemos-GO), se filiar ao PP, do centrão, que assumiu oficialmente a indicação do goiano. Temer aceitou o nome de Baldy, aliado de Rodrigo Maia, para agradar também ao presidente da Câmara dos Deputados. (Colaborou Cristiane Jungblut)

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: