fbpx

TCU quer investigar ‘regalias’ de chefe da Infraero

Resultado de imagem para presidente da Infraero, Antônio Claret

O presidente da Infraero, Antônio Claret, pediu ressarcimento de despesas como poltronas mais espaçosas e confortáveis em voos nacionais, bebidas alcoólicas, hospedagem com familiares, aluguel de carro blindado e viagens internacionais em classe executiva como mostram notas fiscais.

Os gastos chamaram a atenção do Ministério Público e do TCU, que pediu investigação dos Ministérios dos Transportes e da Transparência. Desde 2016 no cargo, Claret fez 65 viagens nacionais, 57 com passagens por Belo Horizonte, sua cidade, e 21 especificamente para a capital mineira. A Infraero fica em Brasília.

Volta pra casa. A maioria das agendas do presidente da Infraero em Belo Horizonte é nas sextas e nas segundas-feiras. Os órgãos de controle suspeitam que os compromissos nesses dias são justificativa para ele permanecer em sua cidade nos finais de semana.

Não pode. As frentes de investigação vão averiguar se houve ato de improbidade administrativa por parte de Claret, por uso em proveito próprio de verba pública. Ele foi indicado para o cargo pelo PR, apadrinhado por Valdemar Costa Neto, que tenta fazê-lo ministro dos Transportes. As informações são da Coluna do Estado.

Com a palavra 1. A Infraero informa que o custo de todas as passagens relativas às viagens particulares com destino a Belo Horizonte foi ressarcido pelo presidente da empresa. Sobre despesas com bebida, assento conforto e familiares em hotéis, a empresa diz que “isso nunca ocorreu”.

Com a palavra 2. Apesar de ter negado, a Infraero respondeu assim a questionamento sobre quanto gastou com assento conforto desde que Claret assumiu o cargo até hoje: “A Infraero esclarece que o balanço até fevereiro de 2018 só será encerrado até dez dias após o final do mês corrente”.

Farra na FAB. O presidente Michel Temer deve editar nos próximos dias um decreto que vai tornar mais rigorosas as regras para o uso de aviões da FAB por ministros de Estado. O texto está em análise. Entre maio de 2016 e março de 2017, foram gastos R$ 34 milhões com voos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: