Tribunal abre ação contra primeira dama do Ceará que distribuía santinhos com notas de R$ 100

Onélia Leite Santana, mulher do governador Camilo Santana (PT) é acusada por crime nas eleições municipais de Barbalha, interior do Estado, em 2016

Igor Gadelha, de Brasília, e Luiz Vassallo, de São Paulo

O Tribunal Regional Eleitoral do Ceará recebeu denúncia contra a primeira dama do Ceará, Onélia Leite Santana, mulher do governador Camilo Santana (PT-CE), em processo em que ela é acusada de compra de votos nas eleições municipais de 2016, na cidade de Barbalha. Segundo o Ministério Público Eleitoral, Onélia prometia dinheiro, materiais de construção, bolas de futebol, entre outas benesses em troca de votos.

Em decisão que transformou a primeira dama em ré, o juiz Renato Esmeraldo Paes, da 31.ª Zona Eleitoral do Ceará, também tornou o candidato petista, Fernando Santana, cunhado de Onélia, derrotado nas eleições de 2016, em réu no mesmo processo.

Barbalha fica na Região Metropolitana do Cariri, a 553 quilômetros da capital Fortaleza. Entre as diversas situações de suposta compra de votos narradas pelo Ministério Público Eleitoral, Onélia é acusada de entregar cédulas de R$ 100 ‘grampeadas’ em santinhos de campanha aos eleitores para que votassem no cunhado.

“A acusada Maria de Fátima Dos Santos jogou fora o ‘santinho’ que havia recebido e ficou apenas com a cédula de dinheiro dada pela acusada Onélia Maria, conforme o teor do termo de declarações de fl. 49, onde consta também a afirmação da acusada de que soube que a denunciada Onélia Maria “deu leite para uma vizinha de nome Priscila” e “que para Pinha ela deu R$ 100,00 (cem reais) e madeira para construir o teto da casa dela”, afirma o MPE.

Em outra situação, uma intermediária da primeira dama do Ceará foi flagrada em grampos telefônicos supostamente providenciando cargos públicos em troca de votos.

“A acusada Ana Kitéria Pinheiro Cavalcante, cumprindo ordem da denunciada Onélia Maria Moreira Leite de Santana, ligou para o servidor Cassio Franco em Juazeiro do Norte, para que o mesmo providenciasse uma vaga de agente socioeducativo para a pessoa conhecida por Halisson, a fim de cumprir a promessa que lhe fora feita com fins de obter voto” narra o Ministério Público Eleitoral.

COM A PALAVRA, ONÉLIA PRIMEIRA DAMA

NOTA DE ESCLARECIMENTO

“Reafirmo que jamais participei, nem mesmo de forma indireta, de ato ilícito de qualquer natureza. Repudio de forma veemente essas acusações. O que tenho feito nos últimos dois anos e meio de minha vida tem sido trabalhar, de forma incansável e voluntária, no desenvolvimento de projetos sociais que buscam a melhoria da qualidade de vida dos cearenses”.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: