Bispo de GO é suspeito de comprar fazenda e lotérica com dinheiro de fiéis

Resultado de imagem para bispo da Diocese de Formosa, Dom José Ronaldo,

Dom José Ronaldo, da Diocese de Formosa, quatro padres, um monsenhor e o vigário-geral, presos nesta segunda-feira, 19, na Operação Caifás, teriam usado nomes de ‘laranjas’ para ocultar patrimônio adquirido com recursos de dízimos e doações, segundo Ministério Público de Goiás

O Ministério Público de Goiás suspeita que o bispo da Diocese de Formosa, Dom José Ronaldo, enriqueceu ilicitamente com dinheiro supostamente desviado de fiéis. A investigação mostra que o religioso teria adquirido até carros de luxo, uma fazenda para criação de gado e uma casa lotérica com recursos de dízimos e doações durante um período de cerca de três anos – desde 2015, pelo menos.

Nesta segunda-feira, 19, Dom José Ronaldo e mais quatro padres, além de um monsenhor, o vigário-geral e dois funcionários do setor administrativo da Cúria foram presos por ordem judicial em regime temporário, por cinco dias. Ao todo, a Operação Caifás abrange 13 mandados de prisão e 10 de buscas em três municípios goianos, Planaltina, Posse e Formosa.

Segundo a Promotoria, Dom José Ronaldo seria o mentor de um esquema para desvios milionários na Diocese de Formosa. As informações são de Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo – O Estado de São Paulo.

A Operação Caifás atribui ao bispo Dom José Ronaldo e aos outros investigados crimes de falsidade ideológica, apropriação indébita e associação criminosa. O bispo e os padres teriam usado nomes de ‘laranjas’ para ocultar patrimônio supostamente ilícito.

O Ministério Público de Goiás calcula que o volume de desvios da Diocese de Formosa chega a R$ 2 milhões. A estimativa ainda é preliminar.

A reportagem fez contato com a Diocese de Formosa, mas ainda não obteve retorno. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) ainda não se manifestou.

Operação Caifás foi montada a partir de denúncias de fiéis que exigem prestação de contas da Igreja Católica de Goiás. Em dezembro, eles protocolaram denúncia na Promotoria, alegando que a Diocese de Formosa, que abrange 33 igrejas e 20 municípios goianos, não divulgou dados da contabilidade, nem mesmo dos últimos três grandes eventos festivos.

COM A PALAVRA, A DIOCESE DE FORMOSA

O Estadão fez contato com a Diocese de Formosa. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A CNBB

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) informou, por sua Assessoria de Imprensa, que está aguardando informações mais completas sobre a Operação Caifás.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: